Toyota avalia garantia maior e mais incentivos para consumidores

A Toyota está avaliando oferecer garantia mais longa para enfrentar a desconfiança dos consumidores diante dos problemas com a segurança de seus veículos, afirmou à Reuters neste domingo uma fonte que foi colocada a par dos planos da companhia.

SOYOUNG KIM E BERNIE WOODALL, REUTERS

14 de fevereiro de 2010 | 17h35

Toyota, ainda se recuperando do maior recall da sua história, está discutindo uma série de opções com os revendedores norte-americanos para estimular as vendas.

Segundo a fonte citada, essas opções incluem adicionar mil dólares ao atual incentivo de mil dólares para clientes "leais," ou seja, os que voltam a fazer negócio com a empresa.

Outras opções avaliadas são manutenção gratuita e uma garantia que pelo menos se iguale à da Hyundai, de dez anos, a maior do mercado. A Toyota hoje oferece garantia de cinco anos.

A fonte que falou à Reuters preferiu não se identificar porque o plano ainda não é público e tem ainda que ser finalizado.

A porta-voz da empresa afirmou que a Toyota estuda várias opções para permanecer competitiva, mas não quis entrar em detalhes.

No sábado, numa entrevista à Reuters, Don Esmond, vice-presidente da companhia, declarou que a montadora vai considerar "incentivos competitivos" para atrair consumidores e reforçar a marca.

As vendas da Toyota nos Estados Unidos caíram 16 por cento em Janeiro e atingiram o seu menor nível em mais de uma década, depois da suspensão da venda de veículos sujeitos a recall por causa de segurança.

Mike Jackson, presidente da AutoNation, empresa responsável por 3 por cento das vendas da Toyota nos Estados Unidos e o maior grupo revendedor no país, disse que por volta de abril as transações com Toyotas voltariam ao normal.

Segundo ele, quando for levado em conta todo o ano, o mercado da Toyota nos EUA vai cair um ponto percentual em relação aos 17 por cento de 2009.

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOS, TOYOTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.