Toyota dará assistência adicional em recall nos EUA

O procurador-geral do Estado de Nova York, Andrew Cuomo, disse que a divisão americana da Toyota Motor Corp. concordou em fornecer assistência adicional para os proprietários de carros que passarem pelo recall da montadora no Estado. Mais tarde, o chefe das operações da Toyota na América do Norte, Yoshimi Inaba, sinalizou em uma audiência no Congresso que a assistência adicional será concedida em nível nacional. "Isso está acontecendo em todo o país", declarou Inaba em resposta a uma pergunta do deputado Edolphus Towns, presidente da Comitê de Supervisão e Reforma do Governo da Câmara dos Representantes.

CLARISSA MANGUEIRA E ANDRÉ LACHINI, Agencia Estado

24 de fevereiro de 2010 | 17h53

Cuomo afirmou, durante entrevista coletiva, que as concessionárias da montadora em Nova York vão buscar o veículo que passará pelo recall na casa dos clientes, além de oferecer aluguel de carros de graça ou reembolso de gastos com transporte, tais como tarifas de táxis, enquanto o veículo estiver sendo reparado. "Os nova-iorquinos estão pressionados até seu limite econômico", disse Cuomo. "Essa questão do recall da Toyota representa uma segunda dificuldade financeira para os moradores de Nova York."

A Toyota iniciou um gigantesco recall de alguns modelos Toyota e Lexus por causa de incidentes de aceleração repentina. O custo da assistência adicional será pago pela Toyota Motor Sales USA Inc., a divisão americana da montadora, de acordo com Cuomo.

Estes serviços serão fornecidos pela Toyota por meio das concessionárias, sem custos para os proprietários dos veículos com defeitos e para as lojas, afirmou a montadora em comunicado. Segundo a montadora, o reembolso dessas despesas é separado do subsídio de US$ 7.500 a US$ 75.000 que a empresa já forneceu às concessionárias ligadas aos recalls.

"Todo mundo na Toyota está focado em tornar o recente recall o mais simples e livre de problemas possível para nossos clientes, com as concessionárias do país se empenhando ao máximo para atendê-los", disse Jim Lentz, presidente e chefe operacional da Toyota Motors Sales.

Cuomo disse que o recall atinge cerca de 500 mil clientes em Nova York. Segundo ele, entre 19 e 28 veículos usados pelo seu escritório estão sujeitos ao recall. O procurador afirmou ainda que seu escritório poderia buscar "recursos adicionais" em uma data posterior.

Cuomo destacou que sua equipe está conduzindo no momento uma investigação sobre o recall. De acordo com ele, seu escritório está "procurando quem sabia o quê e quando", além de rever depoimentos no Congresso e monitorando o recall da montadora.

Congresso

Em Washington, o executivo-chefe da Toyota Motor Corp., Akio Toyoda, começou nesta tarde o seu depoimento no Congresso dos Estados Unidos assumindo a responsabilidade pela crise de segurança que afeta os carros da empresa, informou o Wall Street Journal. "Eu não sou perfeito, como a Toyota não é", disse Toyoda nos comentários de abertura. "Nós nunca fugimos dos nossos problemas nem fingimos não os ver".

Toyoda entrou na sala de audiências do Comitê de Reforma do Governamental e Supervisão da Câmara por uma porta lateral, acompanhado pelo tradutor Yoshimi Inaba, chefe dos escritórios norte-americano da montadora japonesa. Uma aglomeração de fotógrafos e cinegrafistas fizeram imagens do executivo. "Eu estou profundamente triste por cada acidente que cada motorista de um carro Toyota sofreu" disse Toyoda nas suas notas em inglês.

O representante Edolphus Towns (Democrata por Nova York), disse que dará a Toyoda mais do que os cinco minutos de praxe para um comunicado de abertura em reconhecimento ao quão longe Toyoda viajou. O testemunho de Toyoda se segue ao depoimento do secretário de Transportes do governo dos EUA, Ray LaHood, numa audiência no Congresso sobre problemas de segurança em automóveis da Toyota Motor Corp. Os carros da montadora sofriam aceleração súbita e o problema levou ao recall de mais de seis milhões de carros nos EUA. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.