Toyota é acusada de tentar calar donos de carros com defeito, diz jornal

Proprietários dos automóveis disseram que a montadora os obrigou a assinar acordos de confidencialidade

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

29 de outubro de 2010 | 11h04

Os advogados de milhares de proprietários de automóveis da Toyota acusaram a montadora japonesa, num documento enviado à Justiça norte-americana, de tentar calar seus clientes sobre os problemas de aceleração involuntária apresentados pelos veículos, afirmou o jornal the Detroit Free Press.

De acordo com o documento, que faz parte de um processo contra a Toyota, os proprietários dos automóveis disseram que a montadora os obrigou a assinar acordos de confidencialidade e secretamente comprou de volta os veículos que aparentemente apresentavam problemas.

Os documentos também destacam que os engenheiros da Toyota conseguiram reproduzir os defeitos de aceleração involuntária, mas a companhia não reportou tais falhas à Administração Nacional de Segurança no Tráfego em Rodovias dos EUA (NHTSA, na sigla em inglês).

A Toyota disse, em comunicado, que recomprou dois veículos para análises de engenharia, mas que seus engenheiros não conseguiram reproduzir o problema de aceleração.

A NHTSA multou a Toyota em US$ 16,4 milhões no começo deste ano por conta da empresa não ter notificado a agência no prazo apropriado sobre o problema com o acelerador. A Toyota já realizou o recall de mais de 8 milhões de carros em todo o mundo para consertar defeitos com tapetes e pedais de aceleração.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
Toyotaautomóveisindústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.