Transgênicos: UE adia decisão sobre milho da Monsanto

São Paulo, 29 - A falta de consenso na Europa sobre os alimentos geneticamente modificados ficou evidente hoje quando o comitê especialista não conseguiu decidir se vai permitir ou não a importação da variedade MON 863 de milho da Monsanto, resistente à lagarta da raiz, para uso em ração animal. França, Reino Unido e Alemanha votaram a favor, enquanto a Itália e Polônia convenceram oito países a votarem contra. Cinco países se abstiveram de votar. Apesar disso, o número não foi suficiente para aprovar o uso da semente por causa do sistema de pontuação adotado pelo comitê. O debate sobre organismos geneticamente modificados está se aquecendo na Europa. A União Européia (UE) encerrou a sua moratória de seis anos ao aceitar alguns produtos na última primavera, mas a oposição dos setores ambiental e da saúde permanece forte. Agora os produtos deverão passar por um lento e complexo processo legal antes de serem aprovados. A variedade da Monsanto deve passar por nova rodada de análise pelos países do bloco europeu. A proposta já havia sido rejeitada seis vezes. Apesar da oposição dos governos e da população, a Comissão Européia, braço executivo da União Européia (UE), pretende aprovar a importação de algumas variedades modificadas em um prazo de 10 anos, desde que os produtos tenham sido testados adequadamente. A Agência de Segurança Alimentar européia confirmou, por duas vezes, que o MON 863 "não deve produzir efeito adverso à saudade ou ao meio ambiente". As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.