Odd Andersen/AFP
Odd Andersen/AFP

Tribunal da Espanha abre investigação criminal contra a Volks

Intenção é apurar se a montadora alemã infringiu alguma lei local ao fraudar testes de emissão de poluentes

O Estado de S. Paulo

28 Outubro 2015 | 11h50

MADRI - Um tribunal espanhol informou nesta quarta-feira que abriu uma investigação criminal contra a Volkswagen, para determinar se a montadora alemã infringiu alguma lei local ao fraudar testes de emissão de poluentes.

Em comunicado, a Corte Nacional pede que a Volks nomeie um representante legal. Além disso, um juiz do tribunal pede que vários ministérios da Espanha enviem dados sobre o caso. Um relatório da Agência de Proteção Ambiental dos EUA também será levado em conta, na apuração.

A demanda contra a Volkswagen foi apresentada por um querelante privado, uma prática comum na Espanha, onde os acusadores não precisam provar envolvimento direto no caso para se tornarem partes interessadas. O querelante é o Manos Limpias, um pequeno grupo da sociedade civil envolvido em vários casos de corrupção e que teve papel importante para levar adiante a investigação contra a princesa Cristina, irmã do presidente espanhol, no primeiro caso em que um membro da família real do país vai a julgamento. A princesa, que afirma ser inocente, deve ser julgada no ano que vem, por acusações de fraudes tributárias.

A Volks já enfrenta uma investigação criminal nos EUA e na Europa e pode ser multada em bilhões de euros, em multas e compensações a acionistas e clientes. Na Espanha, a companhia tem várias fábricas e ainda controla a montadora Seat, uma das maiores empregadoras e exportadoras do país.

Nesta quarta-feira, a Volkswagen divulgou balanço no qual apresenta um prejuízo de 1,73 bilhão de euros no terceiro trimestre deste ano. O resultado foi prejudicado por despesas de 6,7 bilhões de euros, formadas principalmente por gastos com um recall global de 11 milhões de veículos que dispõem de um software para burlar testes de emissões de poluentes. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
VolkswagenfraudeprocessoEspanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.