Trigo: ágio no RS chega a 821% no segundo leilão de opções

São Paulo, 28 - O segundo leilão de contratos de opção para o trigo da safra 2004/05 registrou hoje ágio de até 821% sobre o prêmio inicial, pago no Rio Grande do Sul. Os produtores gaúchos desembolsaram um prêmio de R$ 540 por contrato de 27 toneladas (R$ 20 por tonelada), para ter o direito de vender o trigo ao governo ao preço mínimo de garantia de R$ 434,36/t na data do exercício, dia 15 de fevereiro. O prêmio pago garante ao produtor gaúcho o preço mínimo de 414,36 por tonelada (levando em conta os R$ 20 por tonelada já desembolsados), caso ele decida exercer a opção na época do vencimento, isto se os preços de mercado estiverem abaixo do valor de exercício. O prêmio inicial era de R$ 58,63 por contrato, ou R$ 2,17/t. Foram negociados todos os contratos oferecidos no Rio Grande do Sul (4.010). O Estado deve colher nesta safra 2,2 milhões de toneladas de trigo para um consumo local de 700 mil t. No mercado gaúcho, o cereal está cotado hoje a R$ 360/t. O segundo maior ágio no leilão de hoje foi pago em Santa Catarina, 574% sobre o prêmio de abertura de R$ 58,63. Para Santa Catarina, foram oferecidos 240 contratos. Pela segunda vez, como ocorreu no leilão da semana passada, só não houve comprador para contratos de trigo do Distrito Federal (15 contratos). Também foram oferecidos, e negociados integralmente, 100 contratos em Goiás, ao preço de abertura de R$ 62,68, 240 contratos no Mato Grosso do Sul (onde houve ágio de 308%), 70 em Minas Gerais (ágio de 235%), 140 em São Paulo (298,8%) e 3.210 contratos no Paraná, onde a variação sobre o prêmio inicial não passou de 0,12%. No total o governo arrecadou no leilão desta quinta-feira R$ 2.566.035,00. O próximo leilão de contrato de opção está marcado para o dia 4 de novembro, nos mesmos volumes oferecidos no leilão de hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.