Trigo: frete mais caro favorece exportações da França e EUA

São Paulo, 21 - O aumento das taxas de frete favorece as exportações de trigo dos Estados Unidos (EUA) e França para o Egito em detrimento das vendas argentinas. Estes dois países, junto com a Austrália, responderam por 90% das importações do cereal para o país africano em 2003/04. Desse total, 40% foram dos EUA, de acordo com dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Neste ano o trigo mais barato produzido na Argentina estava invadindo o mercado egípcio. O relatório do USDA de 13 de dezembro mostrou que o aumento da colheita na Argentina e a redução da demanda brasileira - maior consumidor do país - favoreceu as exportações do país. Isso ficou claro nos leilões realizados pela estatal egípcia General Authority for Supply Commodities (GASC), que no ano fiscal 2004/05 comprou 1 milhão de t do cereal argentino, sendo que antes o país não figurava entre os fornecedores. Mas, no último leilão realizado pela GASC, a oferta argentina foi rejeitada e o produto foi adquirido da França e dos EUA. A mudança, segundo os traders, ocorreu por causa do aumento dos custos de frete. "Quando se adiciona uma taxa de frete de US$ 68/t sobre o trigo Argentino ofertado a US$ 115/t contra um frete da França em torno de US$ 35/t e o cereal a US$ 144/t, é claro que não terá sentido comprar o produto argentino", disse um trader de Cairo. A GASC afirmou que a política da companhia é escolher as ofertas com menor preço FOB e que o frete é negociado separadamente, mas tem peso decisivo sobre a escolha final. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.