Tupy/ Divulgação
Tupy/ Divulgação

Multinacional brasileira Tupy compra fabricante de motores e geradores MWM

Negócio é estimado em R$ 865 milhões e abre portas para atuação em outros segmentos, como o de reposição de peças e energia

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2022 | 16h51

A multinacional brasileira Tupy, que atua na área de fundição e usinagem de componentes para vários setores, comprou  a fabricante de motores para veículos e geradores MWM do Brasil, um negócio de R$ 865 milhões.

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 18, mas ainda a aquisição ainda será submetida à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A MWM pertencia à Navistar International Corporation, subsidiária do grupo Traton, dono também da MAN, Scania e Volkswagen Caminhões e Ônibus.

Atualmente a MWM fabrica motores de terceiros sob contratos de manufatura, atividade que inclui usinagem, montagem, calibração, validação técnica e serviços de engenharia. Com fábrica em São Paulo (SP), também produz grupos geradores e atua no mercado de reposição de componentes.

Com a aquisição, a catarinense Tupy entra no setor de reposição de peças e componentes de motores para caminhões e outros veículo pesados no Brasil.

Também viabiliza sua entrada no setor de energia e descarbonização, com o fornecimento de grupos geradores de eletricidade para o agronegócio e outras aplicações. 

“Juntas, MWM e Tupy, tornam-se uma companhia que reúne em um só fornecedor serviços de fundição, usinagem, montagem, validação técnica e atividades de engenharia associadas”, informa, em nota, o presidente da Tupy, Fernando Cestari de Rizzo.

A MWM registrou receita líquida de R$ 2,68 bilhões em 2021, enquanto a da Tupy alcançou cerca de R$ 7 bilhões. O grupo te três fábricas no Brasil, uma em Portugal e uma no México, além de escritórios comerciais na Alemanha, EUA e Itália.

Tudo o que sabemos sobre:
Tupyindústria automobilística

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.