TV com acesso à internet ganha mais recursos

Fabricantes de televisores tentam atrair consumidores com aparelhos mais sofisticados, que se transformam em verdadeiras centrais multimídia

Marili Ribeiro, de O Estado de S. Paulo,

25 de julho de 2011 | 23h00

Números grandiosos sobre o futuro da televisão conectada não faltam. Há projeções de que os aparelhos ligados à internet vão superar com folga a população mundial já em 2015. Esse mercado deve movimentar US$ 81,2 bilhões até 2017.

No Brasil, a contabilidade ainda é modesta, mas tem boas perspectivas de expansão. O total de aparelhos com conexão à internet ainda não chega a 2% dos 9,8 milhões televisores de telas planas vendidos no País. Ao todo, existem 200 milhões de aparelhos no mercado nacional (contando os de tela plana e os de tubo). Logo, há muito a ser feito só em renovação. A indústria sabe disso. E, no momento, as empresas já vivem a corrida por consumidores oferecendo conteúdos diferenciados.

A televisão conectada chegou ao mercado brasileiro no ano passado. A coreana LG, por exemplo, pôs nas lojas, já alguns dias, uma versão de seus aparelhos bem mais sofisticada. Para ganhar vantagem sobre a concorrência, traz embarcados 150 aplicativos - o modelo anterior tinha apenas 15. O comprador poderá acessar, na mesma telona em que assiste à novela, locadoras de vídeos, portais de notícias, redes sociais e outros serviços exclusivos, como a programação dos cinemas pelo País. Os novos aparelhos custam entre R$ 4.199 e R$ 8.999.

"Muito em breve, o telespectador poderá, até mesmo, reservar e comprar seu ingresso de cinema acomodado no sofá. Vai fazer isso com um único toque no controle remoto, que ficou simples e prático de manusear", diz Daniel Augusto Almeida de Almeida, gerente de produtos da LG Brasil.

O serviço interativo de compra ainda está longe de se viabilizar no Brasil, mas a tela de televisão conectada à rede virtual é uma tendência irreversível. Nos modelos da LG, o telespectador pode usar o próprio celular - desde de que com sistema operacional Android - para controlar o aparelho de TV, como se fosse um controle remoto.

Batizada de Smart TV, está em linha com uma tendência global de integração de telas. "A TV foi a primeira a aparecer e está sendo a última a se conectar, mas com um cardápio de ofertas atraente", diz Almeida.

Pesquisas mostram que os hábitos de consumo de mídias traçam um caminho sem volta para a convergência, pela qual os telespectadores serão, cada vez mais, "multitarefa". Estudo encomendado pela LG constatou que 79% do público da classe AB que assiste televisão não vê exclusivamente TV. Mais que isso: o horário em que os entrevistados mais assistem TV é também o que mais acessam a internet. Logo, o consumidor quer produtos com função híbrida.

Quase todos os fabricantes têm procurando contemplar a demanda. Samsung, Panasonic e Sony vão nessa direção. A Sony foi a primeira a personalizar o conteúdo de uma emissora aberta - o SBT. Por meio de um aplicativo, o espectador acessa os vídeos que escolher a qualquer momento. As emissoras vinham resistindo a essa iniciativa, por temerem prejuízos ao faturamento com publicidade.

"Na era digital, os consumidores não querem ser reféns da programação", diz Fernanda Laurito Summa, gerente de produto da LG Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
tvinternettecnologiaaparelhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.