TV paga tem 30 dias para mostrar plano de ação à Anatel

As operadoras de TV por assinatura se comprometeram a apresentar em até 30 dias um plano de ação para melhorar os indicadores de atendimento ao consumidor. Convocadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), GVT, Net, Embratel, Oi e Sky enviaram na quinta-feira representantes a Brasília para discutir formas de atender as metas propostas pelo órgão regulador.

AE, Agencia Estado

28 de setembro de 2012 | 10h52

A preocupação da Anatel é com o descolamento entre o aumento da base de assinantes e a quantidade de reclamações feitas por clientes. Em agosto, 15,1 milhões de domicílios no País contavam com o serviço de TV por assinatura, um crescimento de 30% em relação a igual mês de 2011.

Enquanto isso, as reclamações quase dobraram. Em janeiro de 2011, 7 mil queixas contra o serviço de TV por assinatura foram registradas na Anatel, número que subiu para 13 mil em abril deste ano. As principais estão relacionadas a cobrança indevida, falhas no serviço de instalação e reparo e qualidade de atendimento. "Identificamos que, apesar de o setor estar crescendo na faixa de 30%, um nível chinês, as reclamações estão crescendo na faixa de 100%, o que é inaceitável. Está descolado, três vezes mais. Não faz sentido?, afirmou o superintendente de Serviços de Comunicação de Massa da Anatel, Marconi Maia. ?Por causa dessa situação, chamamos as empresas para que apresentem planos de ação, de forma que o nível de prestação de serviço melhore e o de reclamação caia.?

No ranking de prestadoras de TV por assinatura de abril, a empresa com maior nível de reclamações a cada mil assinaturas foi a Oi, com 2,682; seguida por TVA, 1,446; Sky, com 1,194; Telefonica TV Digital, 0,936; Embratel, com 0,851; e Net, com 0,656. A meta da Anatel é 0,65.

Segundo a Anatel, a maioria das reclamações de clientes da Oi diz respeito à cobrança e atendimento ao consumidor. No caso da Embratel, Net e Sky, foi a quantidade de queixas por cobrança indevida. A GVT teve um problema significativo em Belo Horizonte, onde a empresa atuava com profissionais terceirizados e sem habilitação adequada para reparo.

A Anatel descartou punições mais duras neste momento, a exemplo do que foi feito com as empresas de telefonia celular, que tiveram as vendas suspensas devido a queixas de natureza semelhante por parte dos consumidores. ?Não vamos tomar uma medida do tamanho da tomada em outro setor sem dar oportunidade a eles de se adequarem?, disse. AS informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
TV pagaqualidadeAnatel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.