UBS compra a corretora Link Investimentos, por R$ 195 milhões

Transação deve ser concluída durante o quarto trimestre de 2010; venda não inclui a parte de home broker da Link

Sueli Campo, da Agência Estado,

29 de abril de 2010 | 13h11

O banco suíço UBS firmou hoje um acordo para adquirir a corretora Link

Investimentos por R$ 195 milhões, o que equivale a aproximadamente US$ 112 milhões. A

transação deve ser concluída durante o quarto trimestre de 2010 e está sujeita à aprovação do

Banco Central do Brasil, segundo informação do UBS.

 

A surpresa é que a venda não inclui a parte de home broker da Link. O interesse principal do

banco suíço nesse retorno ao mercado brasileiro, após ter revendido o Pactual ao banqueiro

Andre Esteves, é a área de investidores institucionais da Link, segundo uma fonte.

 

Ainda segundo a mesma fonte, cerca de 40 profissionais da Link seriam remanejados para uma

nova empresa que será criada para cuidar da área de home broker, sob o comando dos

controladores, os irmãos Daniel e Marcello Mendonça de Barros - filhos do ex-ministro Luiz

Carlos Mendonça de Barros - , Norberto Giangrande Jr. e Fred Meinberg. Nos últimos dias,

prossegue a fonte, foi feita uma rodada de aumento de participação dos minoritários e outros

sócios foram admitidos, elevando o número de minoritários para próximo a 70.

 

Há mais de um ano comenta-se sobre a possibilidade de venda da Link. Segundo fontes, uma

proposta de R$ 180 milhões teria sido recusada pelos controladores. Entre os interessados

estavam, além do UBS, Merril Lynch e o banco sul-africano Standard Bank. Em 2009, a corretora

terminou o ano na nona colocação no ranking de volume de negócios no segmento Bovespa.

(Sueli Campo)

 

O UBS sofreu fortemente os efeitos da crise financeira internacional e seus clientes chegaram a sacar US$ 200 bilhões ao longo de 2009. No primeiro trimestre deste ano, no entanto, o banco suíço registrou lucro líquido de US$ 2,3 bilhões. (Com Jamil Chade)

Tudo o que sabemos sobre:
UBSLink Investimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.