UBS critica oferta de reparação por IPO de Facebook

O grupo suíço UBS criticou a proposta da Nasdaq OMX Group Inc. de compensar as perdas de empresas prejudicadas com os problemas técnicos durante a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) do Facebook. Segundo o UBS, a proposta é "lamentavelmente inadequada".

PRISCILA ARONE, Agencia Estado

23 de agosto de 2012 | 13h57

O grupo bancário, que estima suas próprias perdas em US$ 356 milhões, fez um pedido por carta para os reguladores que avaliam o plano de indenização da Nasdaq OMX. A solicitação é que reconsiderem o limite de pagamentos ofertado pela empresa.

O UBS se uniu a um crescente número de companhias de Wall Street que pedem que a Securities and Exchange Commission (SEC, a comissão de valores mobiliários dos Estados Unidos) pressione a Nasdaq OMX a elevar a compensação para os traders e corretoras que tiveram perdas em 18 de maio.

No mês passado, a Nasdaq OMX propôs um pacote total de compensações de US$ 62 milhões a ser dividido entre as empresas afetadas. As estimativas de perdas em Wall Street naquela sessão indicam US$ 500 milhões.

"Nós pedimos à SEC que reconsidere o nível de limite proposto em razão dos danos reais causados pela Nasdaq com a má gestão do IPO do Facebook", diz a carta do UBS à SEC, com data de quarta-feira.

O UBS disse aos reguladores que o método de cálculo da Nasdaq OMX, pelo qual os traders seriam indenizados por sua proposta, é inadequado e se opôs à ideia de que as empresas renunciem a reivindicações legais, caso aceitem a oferta da Nasdaq. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
UBSFacebookcrítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.