UE concorda com proposta da Comissão Europeia para orçamento

Plano da Comissão prevê um aumento de 5% em relação ao orçamento anterior, elevando os gastos para 1,083 trilhão de euros

Álvaro Campos, da Agência Estado,

29 de julho de 2011 | 16h18

Os países da União Europeia concordaram em utilizar os planos apresentados pela Comissão Europeia (o braço executivo do bloco) como a base para as conversas sobre o próximo orçamento do grupo.

"A grande maioria dos estados membros (24 de 27) aceitou nossa proposta como um bom ponto de partida para as negociações", disse o chefe de orçamento da UE, Janusz Lewandowski, após reuniões convocadas pela Polônia, que atualmente detém a presidência rotativa do bloco.

Segundo Lewandowski, os membros consideraram o plano para o orçamento como um projeto que pode receber emendas, mas não ser "virado de cabeça para baixo". Ele se recusou a revelar quais foram os países que votaram contra a proposta. Fontes afirmam que os opositores foram Reino Unido, Suécia e Hungria.

A reunião realizada em Sopot é apenas o primeiro passo de um complexo processo que deve se estender até 2012. A Comissão Europeia revelou um rascunho para o orçamento de 2014 a 2020 em junho. O plano enfrentou uma rajada de críticas por prever um aumento de 5% em relação ao orçamento anterior, elevando os gastos para 1,083 trilhão de euros.

O ministro britânico para assuntos da UE, David Lidington, disse que tal aumento não se justifica em um período econômico complicado como o atual. França e Alemanha também cobraram que a proposta da Comissão Europeia fosse mais sóbria. O plano reduz os financiamentos para produtores rurais em favor de investimentos em infraestrutura e uma economia "mais verde". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.