UE enviará missão ao Brasil para avaliar condições da carne

União Européia deixou claro que, se até o final do ano o País não implementar novas recomendações, um embargo poderia ser avaliado

Jamil Chade

16 de julho de 2007 | 13h01

A Comissão Européia irá enviar novas missões de veterinários para avaliar as condições fitossanitárias da carne brasileira, mas se recusou oficialmente hoje a aceitar a idéia dos produtores irlandeses e britânicos de impor um embargo imediato ao produto nacional. Em uma sessão no Parlamento Europeu, deputados e lobistas ligados aos produtores da Europa apresentaram as conclusões de uma investigação em que tentam provar que as condições da carne bovina nacional são inadequadas. Com fotos da situação degradante de alguns estabelecimentos e até uma filmagem de um fazendeiro aplicando hormônios ilegais em um animal, os produtores tentaram impressionar os deputados.        Veja também:   Produtores europeus querem banir carne brasileira da UE Comissário de Saúde da UE anuncia apoio à carne bovina do Brasil  O departamento de veterinários da Comissão rejeitou as conclusões do documento, alegando que as informações prestadas aos deputados são "incorretas", "falsa" e "enganosas". Bruxelas, porém, deixa claro que, se até o final do ano o País não implementar novas recomendações, um embargo poderia ser avaliado.Segundo a campanha liderada pelos produtores, as acusações envolvem a falta de um sistema que possa rastrear e identificar a origem do gado. "A maioria das fazendas visitadas não tem sistema de rastreabilidade", afirma a investigação, publicada após uma missão realizada em maio e que indica o perigo da febre aftosa no setor. Em algumas fazendas visitadas, os irlandeses apontam que os brincos de identificação haviam sido retirados das orelhas do gado. Outra acusação é de que produtos apenas colocam as identificações poucos dias antes de vender o gado, permitindo obter um preço maior.A Comissão Européia, porém, rebateu os argumentos diante dos deputados, alegando que não há de fato uma exigência de que todo o gado no País seja identificado. O critério vale apenas para os animais que serão exportados.Movimentação do GadoA segunda acusação dos produtores se refere à falta de controle no Brasil em relação à movimentação do gado de um local livre de aftosa e de outro onde não há garantias fitossanitárias. Segundo a investigação, a movimentação entre as fronteiras é "generalizada". Um dos exemplos é o do cruzamento do gado entre o Mato Grosso, livre de aftosa, e o Mato Grosso do Sul, que sofre embargo da UE.Outro exemplo é do transporte de gado entre o Paraná - região embargada - e Rio Grande do Sul, um dos principais exportadores ao mercado europeu. Os produtores europeus acusam os exportadores do Rio Grande do Sul de comprarem gado do Paraná para exportar diante da falta de produto no Estado. Hoje, os europeus contam com embargos contra a carne de São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul por causa da aftosa. "O controle está sendo impossível", argumenta a investigação, que aponta "movimentos massivos todos os dias" de gado pelo País, a falta de postos de controle nas fronteiras dos Estados e ainda inexistência de um monitoramento das estradas de terra. Para completar, os produtores europeus alertam para o fato de que muitos fazendeiros têm criação de gado nos dois lados da fronteira.Mais uma vez, a Comissão Européia rebateu as críticas. Para os veterinários do bloco, o transporte de gado pode ocorrer, desde que esteja dentro das regras estipuladas de controle fitossanitário. Para a UE, não há qualquer problema no comércio entre o Paraná e o Rio Grande do Sul, já que para uma carne ser exportada, o gado precisa estar em uma zona livre de aftosa por 90 dias antes do abate do animal.A Comissão ainda tomou para si a responsabilidade de defender o Brasil, algo raro no bloco. Segundo os veterinários, o controle de movimento do gado no Brasil é praticado em todo o País e está sendo fundamental para impedir que a aftosa se prolifere para outros Estados.

Tudo o que sabemos sobre:
AftosaUnião EuropéiaCarnes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.