UE promete ação contra protecionismo na venda da Opel

Governo belga suspeita que o acordo levará ao encerramento das operações de uma fábrica da Opel na Bélgica

AE,

12 de setembro de 2009 | 16h29

A comissária de Concorrência da União Europeia (UE), Neelie Kroes, alertou que vai agir contra qualquer tipo de protecionismo que possa ser detectado no processo de venda da Opel - subsidiária da General Motors na Europa. "Se algo fora das regras acontecer, eu vou agir", afirmou a comissária, segundo o jornal belga De Tijd.

 

Na quinta-feira, 10, a GM anunciou que a maior parte da Opel será vendida à companhia canadense de autopeças Magna International e ao banco russo Sberbank.

 

O governo belga suspeita que o acordo levará ao encerramento das operações de uma fábrica da Opel na Bélgica e à manutenção de outras quatro fábricas da montadora na Alemanha e solicitou que a Comissão Europeia investigue a operação.

 

A Alemanha ofereceu um crédito de 4,5 bilhões de euros (US$ 6,5 bilhões) à Magna para dar suporte à oferta pela Opel. Segundo Kroes, "o apoio estatal não deve estar sujeito a condições não comerciais, como alocação de investimentos e medidas de reestruturação".

Tudo o que sabemos sobre:
UEOpelMagna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.