Um pedaço do Empire State Building só seu

Donos reformam o arranha-céu e pretendem vender ações em companhia de capital aberto

The New York Times,

18 de abril de 2011 | 13h45

As pessoas que imaginavam como seria aventurar-se num pequeno negócio imobiliário em Nova York, em breve poderão fazer vários deles - comprando um pedaço do mais famoso arranha-céu da cidade, o Empire State Building.

 

Edifício teve renovação de US$ 560 milhões; mais de 6 mil janelas foram trocadas para reduzir consumo de energia (Foto: Lucas Jackson/Reuters)

A família Malkin, que controla a torre em estilo Art Deco de 102 andares na Quinta Avenida com a Rua 34, pretende criar uma companhia imobiliária de capital aberto para o edifício, informaram três executivos que preferiram não ser identificados. O arranha-céu atrai anualmente dezenas de milhares de turistas do mundo todo com seu observatório no 86º andar, a 350 metros acima do nível da rua.

Se o projeto dos Malkin for bem-sucedido, os nova-iorquinos e outros interessados poderão comprar ações da companhia proprietária do Empire State Building. Segundo os executivos, a nova companhia poderá incluir outros edifícios comerciais, incluindo o imponente terminal One Grand Central, um edifício de 120 mil metros quadrados de área total e 55 andares na Rua 42.

Anthony Malkin não quis falar, mas ele, seu pai e os sócios esperam lucrar com o prestígio internacional do Empire State Building e o mercado de imóveis comerciais em Nova York, que voltou a atrair compradores de todo o mundo.

"Os investidores sonham em investir em edifícios de Manhattan com títulos da dívida ou ações", disse Michael Knott, diretor da Green Street Advisors. No entanto, os Malkin precisam resolver alguns problemas antes, especialmente obter o apoio do sócio principal, o espólio de Leona Helmsley, que contratou assessores para avaliar a proposta.

Uma venda pública se daria num momento de plena recuperação do número de ofertas públicas iniciais, que quase triplicaram no primeiro trimestre em comparação com o mesmo período do ano passado.

As ofertas de ações em investment trusts (empresas criadas para investir em ações de outras empresas) de imóveis também aumentaram, com um volume total de US$ 1 bilhão, mais do que o dobro da produção no mesmo período de 2010. Knott, no entanto, disse que muitas das ofertas recentes não tiveram um bom desempenho depois da venda em mercados abertos.

O Empire State Building não teve um início promissor quando foi inaugurado em 1931. Muitos zombaram dele e o apelidaram de "Empty (vazio) State Building", e só começou a ser lucrativo em 1950.

O avô de Malkin, Lawrence A. Wien, criou o que se tornou um modelo de grupo imobiliário quando adquiriram o controle do edifício em 1961, e o arrendaram a um grupo de investidores, incluindo eles próprios.

Depois de anos de brigas entre os proprietários, os Malkin obtiveram o controle total do edifício há cerca de cinco anos e investiram US$ 560 milhões para reformar esse marco histórico do país. O lobby, com murais originais Art Deco, foi renovado, assim como o observatório, e 6.514 janelas foram substituídas para tornar o edifício um dos mais eficientes em matéria de consumo de energia.

Os inquilinos são cerca de 200, em comparação com os 950 de 2002, embora os atuais ocupem espaços maiores. É possível que o edifício nunca chegue a ter aluguéis tão altos como os do General Motors Building, mas imobiliárias afirmam que o Empire está esplêndido. "Eles o transformaram num imóvel classe A", disse Peter Riguardi, presidente da consultoria Jones Lang LaSalle"./Tradução Anna Capovilla

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.