União Europeia estuda proibir ratings soberanos para países em resgate

Segundo fonte, a medida poderia ser parte de uma nova rodada de propostas da União Europeia

Álvaro Campos, da Agência Estado,

20 de outubro de 2011 | 09h39

A Comissão Europeia está "ativamente" considerando permitir que a autoridade reguladora do sistema financeiro na região proíba a atribuição de ratings soberanos para países que estejam negociando pacotes de resgate, e se houver uma ameaça à estabilidade financeira em função disso, afirmou uma pessoa com conhecimento do assunto.

A medida poderia ser parte de uma nova rodada de propostas da União Europeia para regulamentar a atuação das agências de rating, que deve ser divulgada em 9 de novembro. "Uma das opções que está sendo ativamente considerada é a possibilidade da Autoridade Europeia de Valores Mobiliários e Mercados (ESMA, na sigla em inglês) proibir temporariamente a atribuição de ratings soberanos em circunstâncias específicas e segundo critério específicos", comentou a fonte ouvida pela Dow Jones.

Essa pessoa afirmou que entre os critérios que podem levar à proibição da emissão de ratings soberanos estão as "consequências para a volatilidade ou a estabilidade financeira". Além disso, os ratings poderiam ser proibidos se houver "mudanças iminentes na qualidade de crédito de um Estado em função de negociações" de um pacote de resgate.

Desde a crise financeira de 2008 a UE tem tornado mais severas as regras para as agências de classificação de risco, com autoridades culpando essas agências de terem contribuído para a crise e criticando algumas decisões recentes sobre ratings soberanos. Apesar das discussões, a ESMA não teria como proibir que as unidades das agências de classificação de risco nos EUA emitissem ratings para países europeus. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Comissão Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.