União Europeia pede solução urgente para a Grécia

Governos da zona do euro se reunem amanhã em cúpula; Comissão Europeia lançou força-tarefa para impulsionar empregos no país

Danielle Chaves, da Agência Estado,

20 de julho de 2011 | 09h01

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, convocou os governos da zona do euro a encontrar uma solução para a crise de dívida da região na cúpula marcada para amanhã. "Eles disseram que vão fazer tudo que for possível para garantir a estabilidade da zona do euro", disse Barroso. "Agora é o momento de cumprir essa promessa", acrescentou.

Barroso destacou que todos os atores precisam assumir as suas responsabilidades, em uma referência ao Banco Central Europeu (BCE), e pediu que os líderes não cheguem à mesa de negociação com uma lista do que não podem fazer, mas sim do que podem fazer.

Chefes de Estado e de governos, bem como o presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, se encontrarão amanhã para elaborar um segundo pacote de resgate para a Grécia. A cúpula tem sido vista como um ponto de virada para a estratégica de combate à crise europeia, já que tem como objetivo apresentar soluções mais abrangentes para fortalecer o sentimento do mercado financeiro com relação à zona do euro.

Barroso também afirmou que os líderes precisam mostrar clareza sobre o escopo para mais flexibilidade na Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês), o fundo de resgate da zona do euro, e acrescentou que os benefícios do euro compensam de longe os seus custos.

Além disso, é preciso oferecer medidas para garantir o fornecimento de liquidez para o sistema bancário, segundo Barroso. "Todos os nossos esforços são baseados em um mercado único forte e em um euro forte. É isso que está em jogo. Por isso temos de alcançar uma solução amanhã", enfatizou.

Força-tarefa

A Comissão Europeia lançou uma força-tarefa que pretende impulsionar o crescimento econômico e a criação de empregos na Grécia. A nova entidade será presidida por Horst Reichenbach, vice-presidente do Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento e ex-diretor-geral da Comissão.

A força-tarefa surge depois da proposta feita em junho pelo presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, de fornecer assistência técnica para a Grécia implementar reformas econômicas que fazem parte do programa de resgate oferecido pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e acelerar a absorção de recursos europeus para impulsionar o desenvolvimento econômico.

Essa proposta foi endossada pelos Estados membros da União Europeia nas reuniões de 23 e 24 de junho. Autoridades têm alertado que isso significa um papel mais importante para os consultores estrangeiros na supervisão da política, da economia e do processo de implementação das reformas na Grécia.

A força-tarefa vai trabalhar junto com autoridades gregas e de outros Estados membros e vai divulgar relatórios trimestrais sobre o progresso para o governo da Grécia e para a Comissão Europeia, sob supervisão do comissário europeu para economia, Olli Rehn. O primeiro relatório está previsto para o fim de outubro. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
Comissão EuropeiaGrécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.