Unibanco assina acordo para projetos de crédito de carbono

O Unibancofirmou com o Japan Bank for International Cooperation (JBIC) umacordo para financiamento de projetos voltados para o mercadode créditos de carbono, no valor de 50 milhões de dólares,informou o banco na segunda-feira. O financiamento contempla prazos de até 12 anos, comcarência do principal de até 3 anos. Os prazos, custos e outrascondições de cada repasse serão definidos a cada caso, segundoo banco. As parcelas de juros e principal serão pagossemestralmente. O Unibanco será responsável pela identificação dos projetoselegíveis e os submeterá à aprovação final do JBIC, em Tóquio.O Japan Carbon Finance, uma agência governamental japonesacompradora de créditos de carbono, também poderá apresentarprojetos no Brasil ao Unibanco. Neste mês, a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) informouque vai realizar no dia 26 de setembro seu primeiro leilão devenda de Reduções Certificadas de Emissões (RCEs), ou créditosde carbono. O leilão eletrônico vai ofertar créditos correspondentes a808,4 mil toneladas de dióxido de carbono, gerados em umprojeto da Prefeitura de São Paulo no aterro Bandeirantes. O Brasil já é um dos principais geradores de RCEs no mundo,ao lado de China e Índia, por meio de projetos aprovados pelaONU no âmbito dos Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDLs) doProtocolo de Kyoto de redução das emissões do efeito estufa. Vários negócios com créditos de carbono têm sido realizadospor empresas brasileiras, mas sempre diretamente cominteressados nos países desenvolvidos, com a intermediação debancos ou consultorias. Países ricos que possuem metas de redução de emissõescompram os créditos. As nações em desenvolvimento não possuemmetas, mas podem gerar créditos por meio dos MDLs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.