Divulgação
Divulgação

Única montadora a ter alta nas vendas, Toyota diz manter aposta no Brasil

Além de inaugurar em maio uma fábrica de motores, companhia ampliou a capacidade da unidade de Sorocaba, que produz o compacto Etios; empresa é uma das poucas marcas que ganharam participação no mercado em 2015

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2016 | 05h00

MOGI DAS CRUZES - Em suas viagens mensais à matriz no Japão, Steve St. Angelo, presidente da Toyota para a América Latina e Caribe, tem repetido uma frase com frequência aos chefes: “fiquem calmos”. O executivo afirma que há uma grande preocupação em relação ao momento econômico e político do Brasil, acompanhado com atenção pela direção mundial, mas “existe uma certeza de que o País vai se recuperar em breve”.

E quando a recuperação ocorrer, “estaremos prontos”, acrescenta o presidente da Toyota do Brasil, Koji Kondo. Prova da confiança, diz ele, é que a matriz manteve os investimentos no mercado brasileiro. A fábrica de motores em Porto Feliz (SP) será inaugurada oficialmente em maio, mas já iniciou operações para fornecer o equipamento para o novo Etios, versão 2017, que começará a ser vendido na próxima semana.

Foram contratados, inicialmente, 350 funcionários. Por enquanto, a única fábrica de motores do grupo na América Latina, considerada a mais inovadora do grupo no mundo por concentrar todas as etapas de produção no mesmo teto, recebeu R$ 500 milhões de investimentos, de um total de R$ 1 bilhão programado para uma capacidade plena de 200 mil unidades por ano. A linha começa com 70 mil a 90 mil unidades ao ano.

Outro investimento recém-concluído, de R$ 100 milhões, foi o da ampliação da capacidade da fábrica de Sorocaba (SP), onde é produzido o compacto Etios, de 70 mil para 108 mil unidades ao ano. Em razão da crise econômica, contudo, a nova capacidade instalada ainda não está sendo utilizada.

Única montadora que registrou aumento de vendas no primeiro trimestre, de 1%, num mercado total que caiu 28%, a Toyota espera vender este ano 68 mil unidades do Etios que, por fora, teve modificações quase imperceptíveis mas, por dentro, é um novo carro. Além de câmbio automático e painel mais arrojado, os motores 1.3 e 1.5 são mais potentes e em média 9% mais econômicos que o anterior.

“Promovemos as mudanças que os consumidores mais pediam”, informa St. Angelo. Quando foi lançado, no fim de 2012, o Etios foi criticado por ter interior pobre, acabamento ruim e não ter versões com câmbio automático. O câmbio manual tem seis marchas.

A versão mais barata custa R$ 43.990, R$ 2 mil mais cara que a atual, em razão das novas tecnologias, explica Miguel Fonseca, vice-presidente da Toyota. “Também introduzimos nova transmissão e itens de segurança”. A versão mais cara sai por R$ 60.295. O objetivo da marca é vender 68 mil unidades do modelo no mercado interno, ante 62 mil em 2015. As exportações devem saltar de 22 mil para 27,5 mil unidades, para Argentina, Paraguai e Uruguai. “Estamos estudando outros mercados da região, como o Peru”, afirma Kondo.

Fatia maior. A Toyota também é uma das poucas marcas que ganharam participação no mercado, de 5,6% em 2014 para 6,8% em 2015. No primeiro trimestre deste ano, a fatia em automóveis e comerciais leves já está em 8,6%, o que a ascendeu à quinta colocação no ranking das marcas que mais vendem, atrás de General Motors, Fiat, Volkswagen e Hyundai.

Junto com a fábrica de Indaiatuba (SP), onde é produzido o Corolla – atualmente o modelo mais vendido da marca –, a Toyota projeta para o ano produção de 160 mil veículos, um pouco abaixo dos 166 mil do ano passado, em razão do baixo desempenho do mercado automotivo no primeiro trimestre. Kondo prevê para o ano um mercado total de 2 milhões de veículos, ante 2,57 milhões em 2015.

A marca também é uma das poucas que não adotou medidas de corte de produção, como férias coletivas extras e lay-off (suspensão temporária de contratos de trabalho). Até o fim do ano passado a fábrica de Indaiatuba operava com duas horas extras diárias de trabalho, mas este ano voltou à jornada normal.

A empresa estuda também novos produtos para o mercado brasileiro, como um utilitário-esportivo de pequeno porte. Para o longo prazo, a ideia é nacionalizar o Prius híbrido, hoje importado. Outra meta da empresa, segundo St. Angelo, é desenvolver produtos regionais a partir do centro de pesquisa e desenvolvimento que o grupo vai inaugurar em agosto na unidade de São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.