Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Unidade de autopeças da Siemens recebe ofertas de US$16 bi

Exigências de garantias de empregosna unidade de componentes automotivos eletrônicos da Siemens,VDO, entraram para o centro de uma disputa de aquisição depoisque dois grupos fizeram ofertas de mais de 16 bilhões dedólares pelas operações, segundo informou um jornal. A TRW Automotive, controlada pelo The Blackstone Group, e aalemã Continental submeteram ofertas de mais de 12 bilhões deeuros (16,6 bilhões de dólares) pela VDO, segundo publicou oalemão Handelsblatt. O jornal citou fontes do mercado financeiro e a notícia dasofertas não pode ser imediatamente confirmada. A Siemens afirmou anteriormente que a oferta de ações embolsa de valores é a opção preferencial para a VDO, masinformou que também consideraria qualquer oferta que recebapela divisão, que tem vendas anuais de 10 bilhões de euros e 53mil funcionários. Uma fonte próxima do assunto disse que qualquer acordoentre o grupo norte-americano TRW e a VDO não geraria muitoscortes de empregos adicionais ou fechamento de fábricas alémdaqueles que as empresas já têm planejado individualmente. Muitos cortes podem surgir, no entanto, de um acordo entrea Continental e a VDO, porque ambas as empresas têm níveismaiores de sobreposição, disse a fonte. Uma fonte sindical disse à Reuters em abril que a Siemensestava considerando fechar duas fábricas e vender uma terceirase listar uma parcela minoritária da VDO em bolsa de valores. As medidas poderiam afetar 4 mil funcionários, disse afonte na época. Após isso, a Siemens fez um acordo para mantera ameaçada fábrica de Karben aberta. O conselho de supervisão da Siemens deve discutir o futuroda VDO em reunião na quarta-feira. A venda da VDO deve levantarmais dinheiro que uma oferta em bolsa.

REUTERS

23 de julho de 2007 | 09h52

Tudo o que sabemos sobre:
NEGOCIOSAUTOSSIEMENSVDOOFERTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.