Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Unilever deve vender Doriana e licenciar a Becel para Perdigão

São Paulo, 25 - A Perdigão negocia, há três meses, a compra da marca Doriana da Unilever. Além da aquisição dessa marca, a transação envolve a licença da distribuição da marca Becel, que é mundial, e a licença de fabricação das margarinas dentro da unidade de produção de refrigerados da Unilever, que fica em Vinhedo (SP).Inicialmente, a Perdigão deve produzir as margarinas na unidade da Unilever, mediante o pagamento de um aluguel. No médio prazo, a empresa poderá ter a própria unidade de fabricação. Segundo fontes do mercado, o negócio é excelente para as duas companhias. A Perdigão, que já tem as margarinas Turma da Mônica e Borela,produzidas por fabricantes terceirizados, agrega duas marcas de peso.Estimativas apontam que as fatias de mercado da Doriana e da Becel, isoladamente, são de 10% a 12%. Além disso, a Perdigão tem forte presença na área de produtos refrigerados e congelados, com excelente malha de distribuição. A companhia atende a mais de 80 mil clientes diretamente.Também com a compra da Batávia, da Parmalat, a empresa agregou uma área de laticínios que tem sinergia com as margarinas.Para a Unilever, os produtos refrigerados são um problema. Analistas observam que a empresa tem como meta ficar apenas com a fabricação de itens secos, que não requerem logística especial e onerosa para a distribuição. Também desde que a companhia comprou a gigante Bestfoods, em 2000, foi traçado um plano para vender as marcas regionais e ficar apenas com as mundiais.Se o negócio for concretizado, a Unilever terá poucos itens refrigerados no seu mix. As empresas não confirmam nem negam as negociações. Os presidentes das companhias, Nildemar Secches (Perdigão) e Vinícius Prianti (Unilever), convocaram a imprensa para anunciar um negócio nesta manhã.Com receita líquida de R$ 5,2 bilhões em 2006, 1,3% maior que no ano anterior, e lucro de R$ 117,3 milhões no ano passado, a Perdigão tem sido alvo de várias negociações.Em 2006, por exemplo, a Sadia fez uma oferta hostil para a compra da companhia. O negócio não foi a frente porque as cifras ofertadas estavam abaixo do valor de mercado da companhia, entre outros motivos. So nos últimos 30 dias a Perdigão fez duas aquisições.Nesta semana, adquiriu um frigorífico em Mirassol D'Oeste (MT) por R$100 milhões. No fim de maio, fez a primeira compra no exterior, a holandesa Plusfood, por € 30 milhões. A gigante anglo-holandesa Unilever, presente em 150 países, faturou no ano passado € 39,6 bilhões e teve um lucro de € 5 bilhões com produtos nas áreas de alimentação, limpeza e cuidados pessoais. As informações são da edição de sábado de O Estado de S.Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.