Unilever negocia usina de óleo de palma na Indonésia

A companhia de nutrição e higiene Unilever negocia a construção de uma usina de processamento de óleo de palma na Indonésia avaliada em US$ 100 milhões, segundo uma reportagem do Wall Street Journal. O projeto seria uma tentativa de acelerar o compromisso da empresa de comprar apenas óleo certificado, que não prejudica o meio ambiente.

JOSÉ ROBERTO GOMES, Agencia Estado

24 de abril de 2012 | 15h21

A companhia tem procurado rastrear mais de perto a origem do produto. O óleo de palma tornou-se um grave problema ambiental em países como Indonésia e Malásia, pois a área plantada ocupou matas nativas e destruiu o habitat de vários animais.

As discussões entre a Unilever e o governo indonésio estão avançadas. A construção da usina tornaria a produção do óleo de palma ecologicamente correta em Sumatra e reduziria o consumo anual da empresa em 10%.

A companhia anglo-germânica é a que mais utiliza óleo de palma no mundo - cerca de 1,36 milhão de toneladas por ano. Até 2020, a Unilever pretende adquirir somente óleo de palma certificado, mas, por enquanto, não é uma empresa totalmente sustentável.

No ano passado, por exemplo, apenas 27 mil toneladas da matéria-prima vieram de fontes certificadas, o equivalente a 2% do total. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
UnileverIndonésiaóleo de palma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.