Audra D. Bridges via AP
Audra D. Bridges via AP

United perde US$ 250 milhões após passageiro ser arrastado para fora de avião

Além da reação negativa de consumidores, crise de imagem teve impacto no valor de mercado da companhia aérea

Agências internacionais

11 de abril de 2017 | 22h27

A United Airlines aprendeu, após um vídeo com policiais tirando à força um passageiro de um voo da companhia americana ter viralizado nas redes sociais, o quanto uma crise de imagem pode acarretar prejuízos financeiros. Nesta terça-feira, 11, o papel da empresa fechou em queda de 1,1%, retirando mais de US$ 250 milhões do valor de mercado da companhia.

As perdas ocorreram mesmo depois que o presidente da aérea, Oscar Muñoz, pediu desculpas públicas aos clientes, afirmando que o voo que foi “palco” da confusão não estava superlotado. Houve, no entanto, desconfiança sobre a sinceridade das desculpas, uma vez que, pouco depois de divulgar o comunicado, Muñoz distribuiu a funcionários da United uma nota criticando o passageiro agredido e dizendo “dar todo o apoio” à equipe.

Apesar da perda financeira – que chegou a atingir US$ 1 bilhão no meio do pregão –, o dano mais grave à United deverá ser de imagem. Além de dezenas de celebridades terem prestado apoio ao passageiro nas redes sociais, o programa noturno de Jimmy Kimmel – apresentador do Oscar deste ano – apresentou um vídeo satírico sobre a companhia, com o seguinte texto: “Se dizemos que você vai voar, você voa. Se dissermos que você não pode voar, problema seu.”

O caso teve repercussão internacional – em especial na China, onde os cidadãos foram em massa às redes sociais especular se o passageiro não teria sido vítima de preconceito por causa de sua origem racial. O vídeo havia atingido cerca de 77 milhões de visualizações na rede social chinesa Weibo até a tarde de hoje. A United tem uma operação relevante na China: presente no País desde 1986, a empresa hoje opera 96 partidas semanais a partir do país. 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.