Estadão
Estadão

Usiminas completa dois anos de prejuízos com perda de R$ 123 mi no 2º trimestre

No entanto, prejuízo 84% menor do que o visto no mesmo período do ano passado veio melhor do que o esperado por analistas

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

28 Julho 2016 | 10h16

SÃO PAULO - A Usiminas completou dois anos ininterruptos de resultado no vermelho, ao reportar hoje um prejuízo líquido de R$ 123 milhões no intervalo de abril a junho deste ano. No entanto, esse prejuízo é 84% menor do que o visto no mesmo período do ano passado e representa, ainda uma queda de 19% ante o observado nos três primeiros meses deste ano. No primeiro semestre, a Usiminas acumulou um prejuízo líquido de R$ 275 milhões, recuo de 73% ante o mesmo intervalo do ano passado.

O prejuízo atribuível aos acionistas da Usiminas no segundo trimestre do ano somou R$ 129,4 milhões, ante uma perda de R$ 602,187 milhões no mesmo intervalo do ano passado e de um prejuízo de R$ 152,770 milhões nos primeiros três meses do ano.

O resultado veio menor do que o esperado pelos analistas. A média das estimativas de seis bancos consultados pelo Broadcast (BTG Pactual, Citi, Itaú BBA, JPMorgan, Morgan Stanley e UBS) apontava para um prejuízo líquido de R$ 236,7 milhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi de R$ 68 milhões no intervalo de abril a junho, queda de 70% em relação ao segundo trimestre de 2015. Ante o primeiro trimestre deste ano, no entanto, houve melhora de 31%. No primeiro semestre o Ebitda ajustado ficou em R$ 119 milhões, queda de 80% na relação anual.

A margem Ebitda ajustada ficou em 3%, ante 8% no segundo trimestre de 2015. No primeiro trimestre do ano a margem Ebitda era também de 3%.

Já o Ebitda de acordo com a instrução 527 ficou em R$ 61 milhões, ante um número negativo de R$ 755 milhões no mesmo intervalo do ano passado. Em relação aos três primeiros meses do ano houve um aumento de 22%. No primeiro semestre do ano, O Ebitda segundo a instrução ficou em R$ 110 milhões, ante um valor negativo de R$ 401 milhões na primeira metade do ano passado.

A receita líquida da Usiminas no segundo trimestre foi de R$ 2,028 bilhões, recuo de 24% em relação ao mesmo período do ano anterior. Na comparação com o primeiro trimestre do ano foi registrada queda de 3%. No primeiro semestre a receita líquida foi de R$ 4,069 bilhões, recuo de 24%.

Vendas. As vendas de aço realizadas pela Usiminas caíram 29,4% no segundo trimestre deste ano ante o mesmo intervalo do ano passado para 899 mil toneladas. O volume foi estável em relação aos três primeiros meses deste ano. No primeiro semestre o volume de venda de aço foi de 1,802 milhão de toneladas, queda de 29% na relação anual.

"Houve maior seletividade nas exportações, possibilitada pela redução do excesso de produção na planta de Cubatão", destaca a siderúrgica mineira no documento que acompanha o seu demonstrativo financeiro. Dessa forma, a Usiminas afirma que houve "substancial melhora no mix de mercado", com o mercado interno respondendo por 87% e 13% as exportações.

As vendas de minério de ferro no segundo trimestre deste ano somaram 787 mil toneladas, recuo de 35% em relação ao mesmo período do ano passado. Na comparação com o primeiro trimestre do ano a queda foi de 19%. No semestre, as vendas caíram 25% para 1,761 milhão de toneladas de minério de ferro.

Mais conteúdo sobre:
Usiminas Siderurgia Aço

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.