Usiminas investiu R$ 238 milhões entre janeiro e março

Os investimentos da Usiminas nos três primeiros meses do ano somaram R$ 237,7 milhões, alta de 36% em relação ao mesmo período do ano anterior, informou a companhia nesta quinta-feira, 24. Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, por outro lado, os investimentos recuaram 22,7%.

FERNANDA GUIMARÃES, Agencia Estado

24 de abril de 2014 | 10h33

De acordo com a companhia, o investimento foi utilizado em manutenção, atualização tecnológica das unidades e reforma da Coqueria II em Ipatinga, na Siderurgia, e do Projeto Friáveis, na Mineração. Do total dos investimentos no período de janeiro a março, foram aplicados 83% na unidade de siderurgia, 12% na mineração, 3% na transformação do aço e 2% em bens de capital.

Resultado financeiro

O efeito cambial positivo e menores despesas financeiras levaram a Usiminas a melhorar o seu resultado financeiro no primeiro trimestre do ano. De acordo com o documento que acompanha o demonstrativo financeiro, o resultado financeiro ficou negativo em R$ 18,057 milhões no período, um recuo de 92,3% em relação ao observado um ano antes. Ante o quarto trimestre do ano passado a redução foi de 93%.

Os efeitos cambiais foram positivos em R$ 64,830 milhões, ante um número positivo de R$ 50,396 milhões no mesmo período de 2013, mas negativo em R$ 105,029 milhões no quarto trimestre do ano passado.

As despesas financeiras também foram menores no primeiro trimestre do ano, de R$ 76,832 milhões, ante R$ 294,061 milhões no mesmo intervalo de 2013 e de R$ 179,423 milhões no último trimestre do ano passado.

Dívida líquida

A dívida líquida da empresa no trimestre passado somou R$ 3,743 bilhões, um aumento de 9% em relação ao final do ano passado. O indicador de alavancagem da empresa, calculado pela razão dívida líquida sobre Ebitda, ficou em 1,7 vez ao fim de março, ante 1,9 vez registrado no final do ano passado. Apesar do aumento da dívida líquida, o Ebitda cresceu substancialmente no período, 25,8%.

O aumento da dívida líquida, assim, é explicado pela queda na linha "caixa e aplicações", que ficou em R$ 2,914 bilhões ao final de março, queda de 16% ante o fim de 2013. A dívida bruta, por sua vez, ficou em R$ 6,658 bilhões ao fim de março, queda de 4% em relação a dezembro de 2013.

A composição da dívida por prazo de vencimento era de 21,2% no curto prazo e 78,8% no longo prazo. A composição por moeda representava 67,6% nacional e 32,4% em moeda estrangeira. O caixa da Usiminas ao fim do primeiro trimestre deste ano ficou em R$ 2,914 bilhões, recuo de 31% ante o primeiro trimestre de 2013. Ante o quarto trimestre, a queda foi de 16%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.