Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Vale bate recorde de produção de minério de ferro no 3º trimestre

Ganhos de produtividade compensaram a paralisação de minas menos eficientes; empresa divulga balanço nesta quinta-feira

Reuters

19 Outubro 2015 | 11h45

RIO - A produção de minério de ferro da Vale teve a melhor performance de sua história no terceiro trimestre, apesar de a companhia paralisar a extração em minas menos eficientes, em meio aos baixos preços da commodity devido a uma grande oferta global. A companhia divulga o seu balanço financeiro referente ao terceiro trimestre nesta quinta-feira, antes da abertura dos mercados. 

A maior produtora global de minério de ferro produziu entre julho e setembro deste ano um recorde trimestral de 88,225 milhões de toneladas, alta de 2,9% ante o mesmo período do ano anterior, informou a empresa nesta segunda-feira em seu relatório de produção.

A companhia explicou que operações menos eficientes foram desligadas no terceiro trimestre, como parte de sua estratégia de redução de custos, totalizando o encerramento de uma capacidade total anualizada de 13 milhões de toneladas. Dentre as plantas de beneficiamento que foram paralisadas estão Feijão, Jangada, Pico, Fábrica e Brucutu.

"No entanto, os ganhos de produtividade em outras operações parcialmente compensaram a paralisação da produção nas plantas de beneficiamento. Também houve redução na compra de minério de terceiros no terceiro trimestre", afirmou a Vale no boletim.

A produção de minério - excluindo o minério adquirido de terceiros e a produção atribuível à Samarco - atingiu o recorde de 248 milhões de toneladas no acumulado do ano até setembro, 11,8 milhões de toneladas maior do que no mesmo período de 2014.

Somente a produção de Carajás atingiu 33,9 milhões de toneladas no terceiro trimestre, a maior para o período. Já a produção de níquel da empresa atingiu 71,6 mil toneladas, queda de 0,7% na mesma comparação.

Mais conteúdo sobre:
valeminério de ferrocommodity

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.