Vale continuará contestando taxa de fiscalização do Pará

A Vale vai manter sua estratégia para tentar resolver o imbróglio relativo à cobrança da taxa de fiscalização sobre o minério de ferro criada pelo governo do Pará, disse nesta sexta-feira o diretor financeiro da companhia, Tito Martins. Perguntado se a companhia pretende negociar com o governo do Estado uma redução da cobrança, o executivo respondeu: "Não. Vamos continuar fazendo o que estamos fazendo". A Vale tem contestado a taxa na Justiça.

GLAUBER GONÇALVES, Agencia Estado

29 de junho de 2012 | 11h59

Em entrevista à Agência Estado na terça-feira o vice-governador do Pará, Helenilson Pontes, afirmou que o governo está disposto a negociar com a Vale a redução da taxa de mineração cobrada sobre o minério produzido no Estado. Segundo ele, o cenário externo pouco favorável para o produto pode fazer a administração estadual rever o patamar da cobrança. Ele afirmou, entretanto, que a Vale não procurou o governo para pedir a redução.

Martins participa de seminário sobre a crise internacional na sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Tudo o que sabemos sobre:
FirjanVale

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.