Vale destina 35,5% do orçamento para 2011 a minério e pelotas

Segunda área a receber mais verba é a de logística, de 20,9% do total

Mônica Ciarelli, da Agência Estado,

28 de outubro de 2010 | 15h29

O orçamento da Vale para 2011 destina US$ 8,522 bilhões para projetos de minério de ferro e pelotas; manganês e ferro-liga. A cifra representa 35,5% do investimento de US$ 24 bilhões anunciado pela empresa para o próximo ano.

A segunda área a receber mais verba é a de logística. O segmento ficará com US$ 5,014 bilhões, 20,9% do total. Os recursos serão aplicados no suporte das operações de minério, carvão e potássio. Desse valor, US$ 3,246 bilhões serão gastos no desenvolvimento e construção de ferrovias e portos e US$ 1,136 bilhão em navegação. Os US$ 632 milhões restantes serão destinados ao segmento de transporte de carga geral para os clientes da mineradora.

Já o setor de metais base receberá 18% dos investimentos planejados para 2011 (US$ 4,310 bilhões), seguido por fertilizantes, que ganha um papel de maior destaque ao ficar com US$ 2,505 bilhões, o que representa 10,4% do orçamento total. Os investimentos em projetos de carvão somam US$ 1,588 bilhão (6,8%) em 2011, enquanto os de energia totalizam US$ 794 milhões (3,3%), os de siderurgia chegam a US$ 677 milhões (2,8%) e outros projetos somam US$ 590 milhões (2,5%).

A empresa informa que 63,8% do orçamento (US$ 15,318 bilhões) será aplicado no Brasil, onde se encontra a maioria dos ativos de minério de ferro, logística e fertilizantes da empresa. Para o Canadá, onde a companhia tem a maior parte de seus projetos de níquel, foi destinada uma verba de US$ 1,959 bilhão. Já a Argentina receberá US$ 1,393 bilhão, seguida pela China, com US$ 663 milhões; a Austrália, com US$ 436 milhões; a Indonésia, com US$ 338 milhões; Omã, com US$ 306 milhões; a Malásia, com US$ 166 milhões; o Peru, com US$ 163 milhões; a Colômbia, com US$ 102 milhões; a Libéria, com US$ 98 milhões; e a Zâmbia; com US$ 93 milhões. 

Tudo o que sabemos sobre:
Valeorçamentoferrominério

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.