Vale diz que já sente os efeitos da recuperação global

A crise financeira provocou uma queda de 51,8% no lucro da Vale em 2009. A mineradora fechou o ano com ganho de R$ 10,25 bilhões. Em dólar, o resultado foi ainda pior: queda de 59,5%, para US$ 5,35 bilhões. Em balanço divulgado na noite de ontem, porém, a empresa diz que já começou a sentir os efeitos da recuperação da economia global, que resultaram em uma alta de 7,7% no resultado do quarto trimestre do ano passado, em que teve lucro de R$ 2,63 bilhões.

AE, Agencia Estado

11 de fevereiro de 2010 | 08h53

?A expansão está ganhando momento e esperamos que a economia global cresça acima de sua tendência de longo prazo durante o ano de 2010?, afirmou a companhia, no documento entregue à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Bastante criticada pelo governo por ter suspendido as operações e demitido funcionários no auge da crise, a Vale defendeu as medidas em seu balanço, alegando que sairá mais forte da crise.

?De maneira repentina tivemos de rever nossos planos para buscar uma resposta rápida e adequada às ameaças desencadeadas pela recessão mundial?, diz o texto, ressaltando que as iniciativas tomadas durante o ano ?conduzem à redução permanente da estrutura de custos e a significativos ganhos de eficiência?. A insatisfação do governo foi tornada pública pelo próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em repetidas ocasiões.

Os efeitos da crise sobre o mercado mundial de minerais provocaram uma sucessão de números negativos no balanço da companhia. O faturamento caiu 31,5% durante o ano, para R$ 49,81 bilhões. A geração de caixa teve redução de 46,75%, para R$ 18,65 bilhões. As vendas de minério de ferro e pelotas, principal mercado da companhia, caíram 14,1%, para 253,4 milhões de toneladas. Já as vendas de níquel foram 18,8% menores, chegando a 224 mil toneladas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.