Vale pode optar por Malásia em projeto de US$1 bi

A Vale prefere a Malásia parainstalar no sudeste asiático uma planta de pelotização deminério de ferro, no valor de 1 bilhão de dólares, informounesta terça-feira um executivo da companhia. "Estamos olhando diversas opções no sudeste asiático...Vietnã, Tailândia, Malásia, mas a Malásia tem mais opções dedesenvolvimento", afirmou Renato Hendriksen, gerente demarketing da Vale, durante uma conferência sobre asperspectivas para a indústria siderúrgica em 2008, emCingapura. "Estamos procurando, é claro, estabilidade política eeconômica, mas eu acho que a questão principal é um porto degrande calado... gás natural". Hendriksen acrescentou que o Vietnã e a Tailândia ainda nãoforam descartados. "Mas as discussões estão mais avançadas naMalásia. Se as coisas caminharem bem, poderemos tomar umadecisão dentro dos próximos dois anos, e talvez mais um anopara a construção." Hendriksen disse que a planta teria uma capacidade mínimade 7 milhões de toneladas e iria suprir as siderúrgicas naMalásia e Indonésia e outros locais na Ásia. "Venderemos localmente, claro, nós podemos até mesmoalcançar a costa da Índia -- eles realmente precisam de pelotaslá. Podemos mandar a nossos colegas no Japão, sul da China,Coréia, todos esses países. Ele afirmou que o projeto também incluirá um porto degrande calado que poderá abrigar alguns dos novos navios detipo Very Large Ore Carriers (VLOC) com capacidades de cerca de400 mil toneladas. Atualmente a Vale usa embarcações com capacidades entre 100mil e 180 mil toneladas para transportar minério de ferro pelomundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.