Vale produz 82,6 mi de toneladas de minério de ferro no 3º trimestre

Número representa um aumento de 8,9% em relação ao segundo trimestre de 2010

Beth Moreira, da Agência Estado,

18 de outubro de 2010 | 11h41

A Vale informou que a produção de minério de ferro totalizou 82,6 milhões de toneladas no terceiro trimestre de 2010 - a melhor performance desde o recorde de 85,8 milhões de toneladas registrado no terceiro trimestre de 2008. O número representa um aumento de 8,9% em relação ao segundo trimestre de 2010 e de 23,7% ante igual período do ano passado.

A empresa destaca, em relatório enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que o aumento na produção deve-se ao extraordinário desempenho de Carajás, responsável por 70% da expansão verificada. No acumulado dos primeiros nove meses do ano, a produção total de minério de ferro somou 227,5 milhões de toneladas, com crescimento de 30,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

O sistema Sudeste, que abrange as unidades de Itabira, Mariana, Minas Centrais, Corumbá e Urucum, produziu 32,6 milhões de toneladas, 5,1% acima do segundo trimestre e 27,8% maior que o mesmo intervalo de 2009. O sistema Sul, que inclui as minas Itabiritos, Vargem Grande e Paraopeba, produziu 20,3 milhões de toneladas entre julho e setembro de 2010, com crescimento de 2,3% em relação ao trimestre anterior e 29,2% ante o mesmo trimestre do ano passado.

A empresa destaca no relatório que a produção de Itabiritos foi de 8,3 milhões de toneladas, aumento de 5,6% ante o segundo trimestre, apresentando um novo recorde, influenciado por uma unidade de processamento adicional que começou a operar em junho. Na comparação com o mesmo período do ano passado a expansão foi de 53,2%.

Em Carajás, a produção de minério de ferro atingiu o recorde histórico de 27 milhões de toneladas, com expansão de 21,1% em relação ao segundo trimestre e de 17,7 ante igual período do ano passado. "O fim dos problemas operacionais no terminal marítimo de Ponta da Madeira foi o principal fator para o forte crescimento da produção", informa a mineradora. Adicionalmente, a melhora da performance da Estrada de Ferro Carajás e o fim do período chuvoso na Região Amazônica contribuíram para bom desempenho, acrescenta a empresa.

Potássio

A produção de potássio, por sua vez, somou 155 mil toneladas entre julho e setembro de 2010, o que representa uma redução de 13,9% em relação ao segundo trimestre do ano e de 16,8% na comparação com igual período do ano passado. Em comunicado, a empresa explica que a diminuição deve-se ao baixo teor de alimentação e manutenções corretivas nas áreas da concentração e compactação da usina Taquari-Vassouras.

Pelotas

De julho a setembro, a produção de pelotas atingiu o recorde trimestral de 13,6 milhões de toneladas, apresentando aumento de 7,8% e 71,1% em relação aos níveis do segundo trimestre deste ano e terceiro trimestre de 2009, respectivamente.

Segundo a companhia, a produção de Tubarão reflete a melhora do desempenho operacional, após os ajustes associados às paradas em 2008 e 2009. "Cinco das sete plantas de pelotização tiveram aumento na produção", ressalta o relatório, destacando que Itabrasco alcançou nível recorde no terceiro trimestre, de 1 milhão de toneladas.

"Devido à paralisação de três dias para manutenção, Tubarão I e II registraram pequena redução de produção para 1,4 milhões de toneladas, contra 1,5 milhões de toneladas produzidas no segundo trimestre."

A produção de São Luis se expandiu em 15,1% em relação ao trimestre anterior, devido à ampliação da oferta de minério de ferro de Carajás para 1,6 milhão de toneladas. Vargem Grande, que iniciou suas operações no final de março de 2009 e possui capacidade nominal de 7 milhões de toneladas, está concluindo o processo de "ramp up". No acumulado dos primeiros nove meses do ano, acumula produção de 4,1 milhões de toneladas.

A Vale informa ainda que as três unidades de pelotização da joint venture Samarco, em que a Vale detém 50% do capital, têm capacidade nominal total de 21 milhões de toneladas e estão operando a plena capacidade. "A Samarco registrou recorde e a produção atribuída à Vale foi de 2,897 milhões de toneladas no terceiro trimestre, o que implicou em aumento de 15% sobre o segundo trimestre do ano", informa. Foram produzidas 9,1 milhões de toneladas de pelotas de alto forno e 4,5 milhões de toneladas de pelotas de redução direta.

"Atualmente, estamos construindo duas novas plantas, Omã e Tubarão VIII, que adicionarão 16,5 milhões de toneladas à capacidade total da Vale", lembra a empresa. A unidade de pelotização de Omã está prevista para iniciar operações no segundo semestre de 2010, com capacidade de produção de 9 milhões de toneladas de pelotas de redução direta. "Na semana de 11 de outubro, o navio Ore Moatize, pertencente à nossa frota, deixou o Porto de Tubarão com destino ao Oriente Médio com 147.000 toneladas métricas de minério de ferro. Este é o primeiro embarque para alimentar a usina de pelotização de Omã", destaca. 

Carvão

A produção de carvão da Vale somou 1,9 milhão de toneladas, um novo recorde. O volume é ligeiramente maior que o registrado no segundo trimestre (1,859 milhão de toneladas) e  9,9% superior a igual período do ano passado.

Do total produzido entre julho e setembro, 814 mil toneladas foram de carvão metalúrgico (alta de 7,9% sobre o segundo trimestre e queda de 3,6% ante igual período do ano passado) e 1,1 milhão de toneladas de carvão térmico (queda de 4,2% ante o segundo trimestre e alta de 23,3% frente o terceiro trimestre de 2009. No acumulado dos primeiros nove meses do ano foram produzidos 5,1 milhões de toneladas de carvão, volume 24% superior a igual período do ano passado.

Segundo a empresa, a produção de carvão metalúrgico e térmico da Integra Coal na Austrália, totalizou 296 mil toneladas e 114 mil toneladas, respectivamente, entre julho e setembro, com expansão de 21% e 74,3% ante o trimestre anterior, apesar do clima chuvoso, incomum na estação de inverno na Austrália, e dos "checks" de manutenção e reparos em equipamentos.

A produção em Carborough Downs (CD), na Austrália, atingiu 289 mil toneladas no terceiro trimestre de 2010, com expansão de 4,2% ante o trimestre anterior. A mina de carvão térmico de El Hatillo, mina a céu aberto na Colômbia, está em processo de ramp up e produziu 830 mil toneladas entre julho e setembro, com evolução de 2,6% frente ao trimestre anterior e 163,7% em ao mesmo período de 2009.

Manganês

A produção de minério de manganês somou 472 mil toneladas no terceiro trimestre de 2010, com pequeno recuo ante o trimestre anterior, quando foram produzidas 494 mil toneladas. Segundo a empresa, a redução deve-se à parada para manutenção da usina de mina do Azul - a maior mina de manganês da Vale. "Por outro lado, a produção de Urucum aumentou em 13,7%, devido à adoção de turno adicional de produção", informa.

A produção trimestral de ferro ligas somou 55 mil toneladas de ligas de ferro silício manganês, 52 mil toneladas de ligas de alto teor de carbono manganês e 5 mil toneladas de ligas de manganês de médio carbono. 

Cobre

A produção de cobre atingiu 58 mil toneladas no terceiro trimestre do ano, com aumento de 45,2% em relação ao trimestre anterior e 86,4% ante igual período de 2009. Segundo comunicado da mineradora, as operações no Canadá produziram 26 mil toneladas entre julho e setembro, 15 mil toneladas acima do registrado entre abril e junho. "Com o fim da greve em Sudbury, espera-se que a produção de cobre se normalize no quarto trimestre de 2010", adianta a empresa.

A produção de cobre em concentrado na mina do Sossego em Carajás foi de 3,1 mil toneladas, 10,9% superior a segundo trimestre. A companhia explica que o aumento ocorreu devido à utilização do moinho SAG, um moinho semi-autógeno que utiliza um grande tambor rotativo cheio de minério, água e esferas trituradoras de aço que transformam o minério de cobre numa pasta fina.

Níquel

A produção total de níquel refinado foi de 44 mil toneladas no terceiro trimestre de 2010, com aumento de 21% em relação ao segundo trimestre. "Além da melhora na performance de Sorowako, este incremento foi devido ao processo de ramp up das operações em Sudbury, responsável por uma expansão de 4.700 t na produção de níquel acabado", informa a empresa.

Segundo a Vale, desde setembro, as minas vêm produzindo em linha com o planejado e o smelter já está funcionando com dois fornos. Já a Copper Cliff Nickel Refinery (CCNR), que foi desativada durante a greve, retornou às operações no final de agosto, atingindo plena capacidade no final de setembro.

"O modesto crescimento da produção de níquel no 3T10 é explicado por este período de transição, porém a dinâmica do processo de ramp up das operações canadenses sinaliza melhoria significativa no quarto trimestre", avalia a companhia.

A produção de níquel acabado em Sudbury foi de 6,1 mil toneladas, com redução de 1,5 mil toneladas em relação ao segundo trimestre e aumento de 25,4% sobre o igual trimestre de 2009.

A produção de níquel refinado a partir do concentrado de Voiseys Bay foi de 9,7 mil toneladas, com expansão de 6,2 mil toneladas em relação ao segundo trimestre. Segundo a Vale, o concentrado de Voiseys Bay é usado para abastecer à CCNR e a refinaria de níquel de Clydach, no País de Gales.

A produção em Thompson, na província de Manitoba, Canadá, foi de 4,7 mil toneladas no terceiro trimestre,  43,2% abaixo do trimestre anterior devido à parada programada durante o mês de agosto para manutenção anual. No 3T10, a produção de níquel refinado contido em "matte" em Sorowako foi de 18,9 mil toneladas, 28,7% superior ao segundo trimestre.

A empresa informa ainda que o comissionamento de VNC, projeto de 60 mil toneladas de níquel na Nova Caledônia, está quase concluído. Já o processo de ramp up de Onça Puma, projeto de 58 mil toneladas de ferro-níquel no Brasil, começará em outubro e a produção do primeiro metal está prevista para novembro.

Bauxita

A produção de bauxita da Vale atingiu um novo recorde 3,8 milhões de toneladas entre julho e setembro, 11,4% acima do último trimestre e 15,1% superior ao mesmo período do ano anterior.

A produção de Trombetas totalizou 1,8 milhão de toneladas, com acréscimo de 20,1% em relação ao último trimestre e 17,7% superior ao mesmo período do ano anterior.

A mina de bauxita de Paragominas, localizada no estado do Pará, atingiu recorde de produção, de 1,9 milhão de toneladas, com crescimento de 4% em relação ao segundo trimestre. "No terceiro trimestre, concluímos o processo de ramp up dos três filtros adicionais, que permitirão a mina de Paragominas operar na sua capacidade nominal de 9,9 milhões de toneladas ano", informa.

A produção de alumina na refinaria de Barcarena totalizou 1,4 milhão de toneladas no terceiro trimestre de 2010, ante 1,5 milhão de toneladas do segundo trimestre. 

Tudo o que sabemos sobre:
ValeferrominérioCVM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.