Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Após prejuízos com Brumadinho, Vale tem lucro de R$ 6,5 bilhões no 3º trimestre

Apesar do resultado bilionário entre julho e setembro, companhia ainda acumula prejuízo de R$ 264 milhões no ano de 2019

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2019 | 18h47

RIO –  A Vale registrou lucro líquido de R$ 6,5 bilhões no terceiro trimestre, alta de 13,7% com relação ao igual período do ano passado. Foi o primeiro ganho trimestral reportado pela mineradora após o rompimento de sua barragem em Brumadinho, Minas Gerais, em 25 de janeiro. O  resultado reverte o prejuízo de R$ 384 milhões registrado no segundo trimestre. A melhora se deveu a um menor peso de provisões e despesas relativos ao desastre.

Apesar de destacar o forte desempenho operacional, a Vale acumula um prejuízo líquido de R$ 264 milhões nos nove primeiros meses do ano, como reflexo das provisões e gastos decorrentes da tragédia que deixou 251 mortos e 19 desaparecidos.

A receita líquida da Vale cresceu 7,4% na comparação anual. A mineradora faturou R$ 40,7 bilhões de julho a setembro. O valor superou em 12,9% o do segundo trimestre de 2019. A Vale atribui esse crescimento ao progresso contínuo de retomada de operações nos Sistemas Sul e Sudeste.

Retomada de produção

Com o reinício das atividades da mina de Brucutu e o retorno parcial do processamento a seco no Complexo de Vargem Grande, a Vale produziu 86,7 milhões de toneladas de minério de ferro no terceiro trimestre, segundo relatório divulgado na semana passada. O volume foi 17,4% menor que o produzido no mesmo período de 2018, mas 35,4% superior ao do trimestre de abril a junho. As vendas de minério também cresceram na margem. 

Para Tasso Vasconcellos, analista da Eleven Financial Research, os dados do relatório de produção já indicavam o aumento na receita.

"A baixa despesa relacionadas aos eventos Brumadinho, além do compromisso com a segurança, sempre destacado pelo management, reforçam a tese de redução de incertezas. Dessa forma a Vale tem um caminho aberto para resultados fortes recorrentes, com forte geração de caixa, o que abre precedentes até mesmo para a retomada do pagamento de dividendos", disse.  

Depesas com desastre

No trimestre encerrado em setembro a Vale não reconheceu provisões adicionais relativas ao desastre. Somadas despesas, a empresa já reservou R$  24,1 bi para arcar com o episódio. A Vale estima que os desembolsos totais relacionados a Brumadinho variem de um piso de US$ 3,6 bilhões até US$ 5,25 bilhões de 2019 a 2022, para reparação e descaracterização de barragens.

“A descaracterização de nove barragens a montante continua, com a conclusão da primeira barragem prevista para o primeiro trimestre de 2020", comentou o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, no balanço. "Estamos evoluindo com um portfólio de produtos premium ajustado às demandas de mercado", disse no documento.

A multinacional reportou investimentos totais de US$  891 milhões no terceiro trimestre, sendo US$ 135 milhões em execução de projetos e US$ 756 milhões na manutenção das operações. O grupo reduziu sua estimativa de investimento em 2019, antes em US$ 4,4 bi, para entre US$ 3,6 bilhões e US$ 3,8 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.