Vale vê bom momento para busca de parceiros na CSU

O projeto está orçado US$ 6 bilhões e tem previsão de entrar em operação em 2014

Mônica Ciarelli, da Agência Estado,

28 de abril de 2011 | 13h00

A Vale já equacionou os dois principais fatores de incertezas em projetos siderúrgicos no País: a licença prévia e a escolha do terreno para a Companhia Siderúrgica de Ubu (CSU). O diretor de siderurgia da Vale, Aristides Corbellini, afirmou há pouco que o momento é propício para a busca de um sócio para a usina a ser construída no Espírito Santo.

O executivo não quis detalhar os planos da companhia, mas admitiu que existem "vários interessados" em participar da CSU. O projeto está orçado US$ 6 bilhões e tem previsão de entrar em operação em 2014.

Durante um seminário sobre mineração e siderurgia no Rio, o diretor revelou ainda que a mineradora irá apoiar qualquer projeto de expansão da sócia ThyssenKrupp na Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), que entrou em operação no ano passado. "Se a ThyssenKrupp quiser, vamos apoiar 100%", afirmou.

Corbellini, porém, ponderou que o grupo alemão, operador do projeto, está nesse momento mais focado na consolidação da entrada em operação da CSA, que produz atualmente 1,2 milhão de toneladas, mas foi planeja para chegar a 5 milhões de toneladas de placas de aço por ano. 

Tudo o que sabemos sobre:
ValeCSUsiderurgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.