Varejistas e tecnologia ditam recuperação em Wall St

Os índices de ações norte-americanos subiram nesta terça-feira e se recuperaram das fortes perdas registradas na véspera, à medida que resultados melhores que o esperado de grandes varejistas encorajaram investidores a voltar ao mercado.

ANGELA MOON, REUTERS

18 de agosto de 2009 | 18h12

O Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,90 por cento, para 9.217 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 1,30 por cento, para 1.955 pontos. O Standard & Poor's 500 ganhou 1,01 por cento, para 989 pontos.

Os resultados das gigantes do consumo Home Depot, Target e a operadora de lojas de departamento Saks foram ajudados por corte de custos, enquanto o crescimento da receita permaneceu fraco. Essa equação tem dominado a temporada de balanços, mas os investidores de forma geral aprovaram, levantando as ações.

Os relatórios sobre os balanços ofuscaram uma inesperada queda na construção e emissão de alvarás de moradias em julho, fazendo os três principais índices avançarem mais de 1 por cento pela manhã.

Na segunda-feira, o S&P 500, valorizado em quase 50 por cento desde a mínima atingida no início de março, teve a queda mais acentuada em sete semanas, depois da divulgação de fracos resultados da Lowe's, segunda maior cadeia de lojas de reforma dos EUA. Analistas rapidamente classificaram a baixa como o início de uma correção no mercado.

"Hoje foi uma recuperação da baixa de ontem. A Lowe's está decepcionando e o mercado contrabalançou isso com a Home Depot", avaliou o estrategista de mercado Marc Pado, da Cantor Fitzgerald & Co, em San Francisco.

"É um ciclo saudável que atrai investidores. Nós compramos e depois acabamos com a condição 'overbought' no momento em que o mercado não consegue sair do fundo do poço tão facilmente."

Os papéis dos setores financeiro, varejista e tecnológico exibiram os maiores avanços, mas os ganhos se deram de maneira geral.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.