Venda de aço no país bate recorde por moradia e carros

A forte demanda em setores comoa construção civil e o automotivo garantiu recorde de vendas deaço no mercado doméstico no primeiro semestre. De janeiro ajunho, foram comercializadas 9,7 milhões de toneladas delaminados no Brasil, crescimento de 13,1 por cento sobre igualperíodo de 2006. De acordo com números divulgados nesta quarta-feira peloInstituto Brasileiro de Siderurgia (IBS), a produção de açobruto no país totalizou 16,3 milhões de toneladas no primeirosemestre, expansão de 12,8 por cento. O aumento da produção deveu-se, basicamente, à retomada naprodução em um alto-forno da Companhia Siderúrgica Nacional,que ficou inoperante após acidente no começo de 2006. A previsão do IBS é que a produção de aço bruto atinjaquase 35 milhões de toneladas em 2007 e o volume de vendasdomésticas alcance 19,3 milhões de toneladas no ano. VOLUME EXPORTADO RECUA O volume de aço exportado nos primeiros seis meses do anorecuou 10,2 por cento. Apesar disso, os preços mais elevados doproduto garantiram expansão de 17 por cento da receita com asvendas externas no período em relação ao mesmo intervalo do anopassado, para 3,5 bilhões de dólares, informou o IBS. "Com o crescimento do mercado interno, a prioridade foiatender essa demanda, e consequentemente a exportação caiu. Omercado interno é onde as siderúrgicas ganham mais dinheiro,porque atende a setores com maior valor agregado", disse ajornalistas o presidente do IBS e também da Usiminas, RinaldoCampos Soares. Apesar da retração do volume exportado até junho, o IBSespera reversão do quadro no acumulado de 2007, devido aoinício da operação de um novo alto-forno da CST, unidade daArcelor Brasil, na segunda metade do ano, para produzir placasde aço que devem suprir o mercado externo. INVESTIMENTOS Estão confirmados investimentos de 17,2 bilhões de dólarespara elevar a capacidade instalada da indústria siderúrgica noBrasil de 37,1 milhões de toneladas atualmente para 52,2milhões de toneladas em 2012, segundo o IBS. Considerando usinas em estudo e novas empresas previstas nomercado local, o total de investimentos pode subir para 29,2bilhões de dólares no período, enquanto a produção alcançaria66,8 milhões de toneladas daqui a cinco anos. (Por Rodrigo Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.