Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Venda da rede móvel da Oi deve ser concluída no dia 20

Ao todo, foram 16 meses para concluir o processo; o leilão para venda do ativo ocorreu em dezembro de 2020, e só recebeu a aprovação do Cade em fevereiro de 2022

Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2022 | 05h00

A venda das redes móveis da Oi para a aliança das rivais TIM, Vivo e Claro será selada na próxima quarta-feira, 20, conforme anunciaram as empresas na última quarta-feira, 13 - após concluírem os preparativos para o fechamento do negócio, de R$ 16,5 bilhões. A Oi destinará R$ 12 bilhões desse montante para pagar credores.

Ao todo, foram 16 meses para concluir o processo. O leilão para venda do ativo ocorreu em dezembro de 2020, e só recebeu a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em fevereiro de 2022. A partir daí, as equipes de advogados e consultores financeiros das teles se debruçaram para validar as condições acertadas anteriormente. 

Essa checagem aconteceu dentro do prazo estimado antes pelas empresas e não causou alteração significativa nos termos finais do negócio, afirmaram ao Estadão/Broadcast duas fontes diretamente envolvidas na negociação.

Dívida

A Oi poderá, finalmente, receber o dinheiro da alienação das suas redes móveis, o que permitirá à companhia reduzir a sua dívida bilionária e se aproximar do fim da recuperação judicial - o que está previsto para acontecer até maio.

Do valor total da venda, R$ 15,75 bilhões se referem à própria rede móvel, sendo que 90% serão pagos no dia 20 de abril e os 10% restantes vão para uma conta vinculada para pagamento de ajustes (se houver). Os outros R$ 750 milhões a serem pagos à Oi são decorrentes de um contrato de prestação de serviços durante a fase de transição das redes e migração dos clientes.

A operadora começou na quarta-feira a oferta pública para a compra de todos os títulos de dívidas (notes) com vencimento em 2026, no valor de US$ 880 milhões (cerca de R$ 4,1 bilhões).

A Oi entrou em recuperação judicial em 2016, após acumular R$ 65 bilhões em dívidas com 55 mil credores. A tele conseguiu aprovar um plano de recuperação, que mais tarde foi ampliado, incluindo vendas de ativos, descontos nos pagamentos a credores e prorrogação de prazos. No seu último balanço, a dívida bruta caiu para R$ 34 bilhões.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.