Roosevelt Cassio/Reuters
Roosevelt Cassio/Reuters

Venda de veículos melhora em maio e se aproxima dos resultados de um ano atrás

No ano, resultados ainda são negativos, com queda de 17% em relação ao acumulado de cinco meses de 2021; falta de chips segue afetando produção

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2022 | 16h47

O mercado de veículos novos cresceu 27% em relação a abril e praticamente empatou com o de maio do ano passado com vendas de 187 mil unidades, incluindo caminhões e ônibus. Foi o quarto mês seguido de alta e o melhor resultado do ano. Também é a primeira vez desde julho passado que os números se aproximam dos números do ano anterior.

No acumulado dos cinco meses, contudo, as vendas somaram 740 mil veículos, número 17% inferior ao de igual período de 2021.

O setor segue com dificuldades no abastecimento de semicondutores e novas fábricas devem suspender a produção. A Volkswagen, por exemplo, é uma das mais afetadas nos últimos meses e já avalia dar mais dez dias de férias coletivas ao pessoal da fábrica Anchieta, no ABC paulista, caso não receba componentes até início de julho.

Somente o mercado de automóveis e comerciais leves teve vendas de 175,6 mil unidades, com crescimento de 28% ante abril e similar ao de maio de 2021. No ano, o segmento acumula 689,2 mil unidades vendidas, 18% menor ante os cinco primeiros meses de 2021.

No ranking de vendas, a Fiat segue na liderança, com 22,1% das vendas totais. A General Motors vem em segundo lugar, com 14%.

Nas três posições seguidas estão Toyota, Hyundai e Volkswagen, com resultados muito próximos, respectivamente de 10,8%, 10,7% e 10,5% de participação nas vendas totais.

Os modelos mais vendidos até agora foram picape Fiat Strada, com 41,2 mil unidades. Depois seguem Hyundai HB20, com 34,9 mil, Chevrolet Onix (29,9 mil), Fiat Mobi (26,7 mil) e Volkswagen T-Cross (26,5 mil).

Os dados ainda são parciais e deverão ser confirmados em breve pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.