Vendas de novas moradias caem nos Estados Unidos

No fim de março, país atingiu o menor nível de novas casas à venda da história, com 144 mil imóveis

Danielle Chaves, da Agência Estado,

24 de abril de 2012 | 12h00

WASHINGTON - As vendas de moradias novas nos EUA caíram em março, mas o dado de fevereiro foi bem melhor do que o calculado inicialmente, de acordo com números divulgados pelo Departamento do Comércio. A queda em março foi de 7,1%, para a taxa anual sazonalmente ajustada de 328 mil, e o resultado de fevereiro foi revisado para vendas de 353 mil moradias novas - a taxa mais alta desde novembro de 2009 - em vez de 313 mil.

Com isso, o dado de março superou as expectativas, já que os analistas consultados pela Dow Jones previam queda de 2,2% sobre o número inicial de fevereiro, para 320 mil. Em comparação com março do ano passado, as vendas de moradias novas aumentaram 7,5%.

Os preços dos imóveis também mostraram sinais de estabilização em março, com alta de 6,3% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Havia 144 mil moradias novas à venda nos EUA no fim de março, o menor nível da história. A oferta levaria 5,3 meses para ser vendida no ritmo atual. A quantidade de casas novas concluídas em março foi de 48 mil.

Por regiões, as vendas de moradias novas caíram 27% no Oeste e 20% no Meio Oeste, mas subiram 7,7% no Nordeste e 3,1% no Sul. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAimóveismoradias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.