Vendas no varejo no 1º trimestre têm primeiro recuo desde 2008

As vendas do comércio varejista caíram 0,1% em março

Fernanda Nunes e Mariana Durão, da Agência Estado,

15 de maio de 2013 | 09h39

RIO - As vendas no varejo pioraram na passagem do quarto trimestre do ano passado para o primeiro trimestre deste ano, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O instituto registrou queda de 0,2% para essa base de comparação. O resultado é o primeiro recuo registrado pelo IBGE desde o quarto trimestre de 2008 (-0,5).

Em todo o ano de 2012, o varejo havia apresentado resultados positivos, na relação do trimestre com igual período imediatamente anterior. No quarto trimestre, a taxa havia sido de 0,8%, na mesma base de comparação. No terceiro trimestre de 2012, a alta foi de 2,1%; no segundo, de 0,8%; e no primeiro, de 4,2%.

As vendas do comércio varejista caíram 0,1% em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal. O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, de declínio de 1,50% a crescimento de 1,20%, e menor que a mediana negativa de 0,40%.

Na comparação com março de 2012, as vendas do varejo tiveram alta de 4,5% em março deste ano e ficaram dentro das estimativas. Nesse confronto, as projeções variavam de expansão de 2,20% a 7,50%, sem ajuste sazonal. A mediana, por sua vez, era de alta de 4,20%. Até março, as vendas do varejo restrito registram alta de 3,8% no ano e de 7,2% nos últimos 12 meses.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas subiram 0,2% em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal. O resultado ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que esperavam desde uma queda de 1,70% a um crescimento de 2,10%, e acima da mediana negativa de 0,25%.

Na comparação com março de 2012, as vendas do varejo ampliado tiveram alta de 3,0% em março de 2013. Nesse confronto, as projeções variavam de declínio de 1,20% a uma expansão de 6,20%, com mediana positiva de 2,30%. No ano, as vendas do comércio varejista ampliado acumularam uma alta de 3,8%, e, em 12 meses, aumento de 7,2%.

O IBGE revisou a taxa do volume de vendas no comércio varejista em fevereiro ante janeiro de 2013, de -0,4% para -0,5%. Também foi revisada a taxa de fevereiro de 2013 ante fevereiro de 2012, que passou de -0,2% para -0,3%.

Supermercados

As vendas do segmento de hipermercados e supermercados, produtos alimentícios e bebidas caíram 2,1% em março ante fevereiro, pior resultado desde fevereiro de 2008 (-2,2%). No mês anterior, considerando a mesma base de comparação, o segmento já havia caído 1,4%, enquanto em janeiro havia apresentado alta de 1,6%. Na comparação com março do ano passado, o segmento avançou 4,0%, o que continua sendo a principal contribuição à taxa global do varejo.

"Neste início de ano, os preços da atividade têm tido um comportamento de alta muito acima da média. No entanto, o desempenho da atividade foi beneficiado pela comemoração da Páscoa em março, uma vez que em 2012 o feriado foi celebrado em abril", informou o IBGE, em nota oficial. No acumulado do ano, a taxa de janeiro a março foi de 1,8% e nos últimos 12 meses, de 6,1%.

Veículos

As vendas de veículos, motos, partes e peças tiveram alta de 1,9% em março ante fevereiro. Foi o primeiro resultado positivo da atividade na margem em 2013. O IBGE revisou hoje as quedas na atividade de fevereiro ante janeiro, de -1,7% para -1,6%; de janeiro ante dezembro de 2012, de -1,2% para -1,1%; e a alta de dezembro de 2012 ante novembro de 2012, de 3,4% para 3,5%.

Em relação a março de 2012 houve alta de 1,2% nas vendas de veículos, que acumulam variação positiva de 4% no primeiro trimestre e de 8% nos últimos 12 meses.

Já atividade de material de construção registrou alta de 0,7% no volume vendido no terceiro mês do ano sobre o mês anterior. Houve queda de -0,1% em relação a março de 2012 e de 5% no trimestre encerrado em março. Nos últimos 12 meses a atividade acumula alta de 6,1%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.