Vendas reais de supermercados sobem 1,94% em março

No trimestre, as vendas aumentaram 2,79% em relação ao ano passado

Rodrigo Petry, da Agência Estado,

28 de abril de 2011 | 11h26

As vendas reais nos supermercados cresceram 1,94% em março na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo divulgou há pouco a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em relação a fevereiro deste ano, o faturamento dos supermercados avançou 9,28%. No trimestre, as vendas aumentaram 2,79% em relação ao ano passado. Os números estão deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Segundo a Abras, o crescimento das vendas em março ante fevereiro se explica pelo efeito calendário, pois são 31 dias ante 28 no segundo mês do ano. Já a comparação dos três primeiros meses de 2011 do faturamento dos supermercados foi impactada negativamente pelo efeito sazonal da Páscoa. Em 2010, a data ocorreu no início de abril (dia 4), puxando as vendas de março. Neste ano, os consumidores concentraram as compras de Páscoa em abril, já que a data aconteceu no final do mês (dia 24).

"Descontados os efeitos sazonais, o resultado de março continua em linha com a tendência demonstrada no segundo semestre de 2010 mostrando ligeira desaceleração e estabilização nesse patamar", informa a associação. De acordo com a Abras, para abril a tendência é de recuperação do crescimento do faturamento aos níveis do dois primeiros meses do ano, quando as vendas reais acumulavam alta de 3,2%.

O valor da cesta de 35 produtos considerados de largo consumo, como alimentos, limpeza e beleza, medido pela GfK, apresentou queda de 0,43% nos preços em março ante fevereiro, para R$ 297,39. Já na comparação com março de 2010 o valor da cesta avançou 8,35%.

Os produtos com maiores altas em março ante fevereiro foram cebola (+22,56%), batata (+17,94%) e tomate (+11,93%). As maiores quedas no período ficaram com biscoito maisena (-4,22%), pernil (-3,95%) e feijão (-3,53%). 

Tudo o que sabemos sobre:
vendassupermercados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.