Venezuela anuncia controle 'total' do câmbio pelo BC

Na tentativa de evitar a desvalorização ainda maior da moeda, governo pretende criar banda de negociação para câmbio flutuante

Álvaro Campos, da Agência Estado,

18 de maio de 2010 | 14h53

O governo da Venezuela, tentando evitar que sua moeda caia mais, disse nesta terça-feira, 18, que está temporariamente suspendendo o comércio de câmbio no mercado sem regulamentação, enquanto cria uma plataforma de negociação de alta tecnologia que pode eliminar a especulação no mercado de câmbio.

Em uma coletiva de imprensa muita aguardada, convocada para explicar como as recentes restrições de câmbio vão funcionar, o ministro das Finanças, Jorge Giordani, disse que o banco central vai ter controle sobre as negociações de câmbio quando o mercado reabrir.

O ministro também indicou que as corretoras de câmbio poderiam ser excluídas da negociação de câmbio e que continuariam a ser investigadas por irregularidades. O governo tem culpado corretoras "especulativas" pelos problemas com o bolívar.

O presidente do Banco Central, Nelson Merentes, disse que o governo pretende criar algum tipo de banda de negociação para o mercado de câmbio flutuante, onde existe um preço mínimo e máximo para o bolívar. A moeda já caiu 25% em relação ao dólar no mercado sem regulamentação, e recentemente era negociada a 8 bolívares por US$ 1 nesse mercado, quase o dobro da cotação oficial que é de 4,3 bolívares por dólar. O governo quer diminuir essa diferença, entre as taxas oficial e flutuante.

Analistas dizem que a banda de câmbio pode ser fixada entre 5 a 7 bolívares por US$ 1.

Críticos afirmam que o controle do governo pode tornar os problemas do bolívar ainda piores, já que poderia levar os investidores para um mercado negro que tornaria a especulação ainda maior. Isso poderia fazer com que a inflação, que já está à uma taxa anual de 30%, ficasse maior, dizem os críticos. Atualmente, a maioria dos preços ao consumidor de produtos importados na Venezuela é estabelecido pela taxa flutuante em vez da fixa, o que tem contribuído para o aumento da inflação, tornando difícil a recuperação da economia venezuelana, que está em recessão.

O mercado sem regulamentação, na prática, já foi suspenso na semana passada, quando corretores receosos se recusaram a fazer transações antes de saber detalhes das novas regras.

Os legisladores da Venezuela aprovaram as novas regras para o câmbio na semana passada, e o presidente Hugo Chávez assinou o projeto de lei no domingo. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.