Venezuela e Bolívia assinam acordo para explorar minério

A Venezuela e a Bolívia assinaramneste domingo um acordo preliminar para Caracas participar dodesenvolvimento da grande reserva boliviana de minério de ferroEl Mutun. Acredita-se que o local guarde cerca de 40 bilhões detoneladas de minério. Durante uma visita à Venezuela para estreitar os laçosentre os dois governos aliados de esquerda, o presidenteboliviano, Evo Morales, se juntou ao venezuelano, Hugo Chávez,para assinar o acordo, durante um programa de TV. O Parlamento boliviano revê no momento um acordo para que aindiana Jindal Steel and Power invista 2,1 bilhões de dólarespara desenvolver 50 por cento da reserva de Mutun. Entre outros contratos, Bolívia e Venezuela tambémassinaram um acordo para construir uma indústria petroquímicana região boliviana de Cochabamba. A fábrica vai processar gásnatural. Hugo Chávez afirmou que os acordos resultarão no avanço daAlba, um bloco comercial entre países latino-americanos, queChávez apresentou como uma alternativa à Alca. "Isso é a Alba, a união da nossa gente, do nossoterritório, do nosso potencial, que nos fará livres", disseChávez, durante o programa de TV. Os líderes da oposição na Bolívia têm acusado Morales dereceber ordens do governo venezuelano, que se tornou umimportante financiador para o país andino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.