JF DIORIO / ESTADÃO CONTEÚDO
JF DIORIO / ESTADÃO CONTEÚDO

Veto à reorganização da JBS sinaliza mudança de política do BNDES

Banco de fomento detém 20,36% da empresa e decisão aponta para uma desconstrução da política das ‘campeãs nacionais’

Camila Turtelli, Mônica Scaramuzzo, Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2016 | 23h31

SÃO PAULO e RIO - O braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDESPar) vetou a reorganização societária em curso pelo grupo JBS, dono da Friboi, que pertence à família Batista. A decisão do BNDESPar, que detém 20,36% de fatia da companhia, a maior processadora de carnes do mundo, sinaliza uma mudança de postura do atual governo de desconstruir a política de empresas “campeãs nacionais”, marca da gestão petista.

Com essa decisão, as ações ordinárias (com direito a voto) da empresa, que chegaram a cair mais de 20% durante o pregão desta quarta-feira, 26, encerraram o dia com queda de 11,45%, a R$ 10,44 na BM&FBovespa. Analistas ouvidos pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, afirmaram que a decisão coloca dúvidas sobre o futuro da empresa.

O JBS, que fatura R$ 163 bilhões, ao lado da operadora Oi (em recuperação judicial), foi um dos grupos beneficiados pela política de incentivo do governo para criar campeãs nacionais. No ano passado, a holding J&F, da família Batista, anunciou a compra da Alpargatas, que pertencia a Camargo Corrêa, envolvida na Lava Jato, por R$ 2,7 bilhões. A aquisição foi financiada pela Caixa. Em junho, a Eldorado, do setor de celulose, que pertence à família, foi um dos alvos da nova operação da Lava Jato, por suposto envolvimento em pagamento de propina para obtenção de recursos do FI-FGTS. A empresa nega qualquer irregularidade.

Sob a gestão do ex-presidente do BNDES, Luciano Coutinho, ligado ao PT, o conselheiro do banco no JBS, João Carlos Ferraz, foi um dos maiores defensores da política de apoio à globalização de empresas nacional. Em agosto, Ferraz foi substituído pela advogada Claudia de Azeredo Santos.

Em conversa com analistas, o presidente do JBS, não descartou que a decisão do banco pode estar ligada às mudanças recentes na gestão do banco. O executivo pontuou que o grupo vai analisar novas alternativas para gerar valor para seus acionistas e não descartou a possibilidade de novas ofertas iniciais de ações (IPOs, em inglês), por meio das plataformas da companhia em outros países.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.