Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
JF DIORIO / ESTADÃO CONTEÚDO
JF DIORIO / ESTADÃO CONTEÚDO

Veto à reorganização da JBS sinaliza mudança de política do BNDES

Banco de fomento detém 20,36% da empresa e decisão aponta para uma desconstrução da política das ‘campeãs nacionais’

Camila Turtelli, Mônica Scaramuzzo, Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2016 | 23h31

SÃO PAULO e RIO - O braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDESPar) vetou a reorganização societária em curso pelo grupo JBS, dono da Friboi, que pertence à família Batista. A decisão do BNDESPar, que detém 20,36% de fatia da companhia, a maior processadora de carnes do mundo, sinaliza uma mudança de postura do atual governo de desconstruir a política de empresas “campeãs nacionais”, marca da gestão petista.

Com essa decisão, as ações ordinárias (com direito a voto) da empresa, que chegaram a cair mais de 20% durante o pregão desta quarta-feira, 26, encerraram o dia com queda de 11,45%, a R$ 10,44 na BM&FBovespa. Analistas ouvidos pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, afirmaram que a decisão coloca dúvidas sobre o futuro da empresa.

O JBS, que fatura R$ 163 bilhões, ao lado da operadora Oi (em recuperação judicial), foi um dos grupos beneficiados pela política de incentivo do governo para criar campeãs nacionais. No ano passado, a holding J&F, da família Batista, anunciou a compra da Alpargatas, que pertencia a Camargo Corrêa, envolvida na Lava Jato, por R$ 2,7 bilhões. A aquisição foi financiada pela Caixa. Em junho, a Eldorado, do setor de celulose, que pertence à família, foi um dos alvos da nova operação da Lava Jato, por suposto envolvimento em pagamento de propina para obtenção de recursos do FI-FGTS. A empresa nega qualquer irregularidade.

Sob a gestão do ex-presidente do BNDES, Luciano Coutinho, ligado ao PT, o conselheiro do banco no JBS, João Carlos Ferraz, foi um dos maiores defensores da política de apoio à globalização de empresas nacional. Em agosto, Ferraz foi substituído pela advogada Claudia de Azeredo Santos.

Em conversa com analistas, o presidente do JBS, não descartou que a decisão do banco pode estar ligada às mudanças recentes na gestão do banco. O executivo pontuou que o grupo vai analisar novas alternativas para gerar valor para seus acionistas e não descartou a possibilidade de novas ofertas iniciais de ações (IPOs, em inglês), por meio das plataformas da companhia em outros países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.