HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Via Varejo abre espaço para Michael Klein virar controlador

Fim da obrigação de estender compra superior a 20% das ações aos demais acionistas abre espaço a acordo privado

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2019 | 04h00

Por trás de uma decisão tomada nesta segunda-feira, 3, pelos acionistas da Via Varejo em assembleia, está a abertura de uma porta para que o empresário Michael Klein, da família de fundadores da Casas Bahia, se torne o controlador da Via Varejo, rede hoje controlada pelo Grupo Pão de Açúcar (GPA) e que inclui as redes Casas Bahia e Ponto Frio. Apesar de supostamente ainda haver outros grupos no páreo, fontes ligadas às negociações dizem que Klein é atualmente o principal candidato a ficar com o ativo.

O negócio, que está sendo oferecido a grupos locais e internacionais há dois anos, deve ganhar tração nas próximas semanas graças à retirada da cláusula de “poison pill” do estatuto social da Via Varejo, após assembleia de acionistas. A “pílula do veneno” obrigaria que qualquer compra de 20% ou mais das ações deveria ser estendida aos demais acionistas, via oferta pública de ações (OPA). Segundo uma fonte, o empresário não teria interesse em seguir por esse caminho, e sim em fazer uma aquisição privada.

As negociações para a venda da Via Varejo voltaram a ganhar força após a controladora do Grupo Casino (dona do GPA e, por meio desta, da Via Varejo) pedir proteção à Justiça francesa para negociar dívidas. Klein, apurou o Estado, busca parcerias com fundos de investimento para conseguir comprar a varejista de eletrodomésticos. A família Klein é a segunda maior acionista da empresa, com 25,4%, ante 36,3% do GPA. Procurado, Klein não respondeu aos contatos da reportagem.

Concorrência. Embora circulem notícias de outros possíveis interessados na Via Varejo – como a empresa de investimentos Starboard, especializada em ativos em dificuldades e que atualmente reestrutura a Máquina de Vendas, dona da Ricardo Eletro – e a Lojas Americanas, Klein corre como franco favorito na operação. A Lojas Americanas negou o rumor de que esteja comprando a Via Varejo. Uma fonte classificou a chance de um acordo com a Starboard como “pequena”.

Na esteira dos rumores relativos à Lojas Americanas e da expectativa com a venda, a Via Varejo teve um dia positivo na Bolsa paulista na segunda-feira, fechando em alta de 5,53%, cotada a R$ 4,96. O valor de mercado da companhia subiu a R$ 6,3 bilhões. A negociação privada com Klein interessa ao Grupo Pão de Açúcar, pois abre a possibilidade de que a companhia receba um “extra” em relação a seu valor de mercado atual. /COLABOROU FLÁVIA ALEMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.