Amanda Perobelli/Reuters
'Somos o cara que vai comprar no mundo, vai comprar aqui (no Brasil) e vai entregar', disse Wilson Ferreira Júnior. Amanda Perobelli/Reuters

Vibra Energia vai oferecer o combustível que o consumidor precisar, diz Wilson Ferreira Júnior

Presidente da companhia, a antiga BR Distribuidora, disse que apesar do novo foco na transição energética, grande capilaridade logística e agilidade na entrega vão continuar sendo o diferencial do negócio

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2021 | 20h12

RIO - A Vibra Energia, novo nome da BR Distribuidora, foi lançada, na quarta-feira, para oferecer ao consumidor o “combustível que ele precisar”, disse Wilson Ferreira Júnior, presidente da empresa, ao Estadão/Broadcast. Os postos varejistas vão continuar ostentando o nome da Petrobras, da qual é originária. Mas os negócios que vierem pela frente vão nascer com a nova identidade. A intenção é inserir a companhia - há 50 anos vendedora de produtos fósseis e poluentes, como gasolina e óleo diesel - no mapa da transição energética. Uma das alternativas em análise, por exemplo, é comercializar gás metano, ‘mais limpo’. Parcerias nessa área devem ser anunciadas em breve, antecipou Ferreira Júnior.

O gás metano é produzido a partir da decomposição de materiais orgânicos. Por isso pode ser extraído do lixo. Como as conversas com possíveis parceiros ainda estão acontecendo, Ferreira Júnior preferiu não detalhar como a empresa vai entrar nesse mercado.

“Somos o cara que vai comprar no mundo, vai comprar aqui (no Brasil) e vai entregar. Somos quem vai atrás do que você precisa e te entrega, no prazo mais rápido, e com o melhor preço. Isso é o que torna a gente muito útil”, disse o executivo, enfatizando que a BR mudou de nome, mas pretende continuar se diferenciando pela sua grande capilaridade logística, por ter uma infraestrutura de armazenamento e transporte maior do que a das suas principais concorrentes.

Num primeiro momento, os combustíveis derivados do petróleo continuam a ser o carro-chefe da distribuidora. Mas a empresa já prepara o terreno para uma virada que deve se consolidar, definitivamente, num horizonte de, no máximo, duas décadas. Até lá, a Vibra tem a garantia de poder ostentar a marca BR em seus postos, como previsto em contrato com a Petrobras. Depois disso, ela vai poder escolher usar seu próprio nome ou renovar o acordo com a petrolífera estatal. Mas isso ainda não está definido.

"Esse relacionamento que a companhia tem no Brasil e no exterior (como importadora de combustíveis) e nossa capacidade de entregar é o nosso jeito de ser. Vamos fazer assim com o GNL (gás natural liquefeito), com energia elétrica, com hidrogênio... Queremos escalar por aí”, acrescentou o presidente da Vibra.

No setor elétrico, a empresa é dona de 70% de uma comercializadora. E, assim como desenvolveu uma operação de grande porte nessa área, o mesmo deve ser feito no segmento de GNL, segundo Ferreira Júnior. “Não precisamos produzir. Temos escala para distribuir. A importação de GNL é só o começo. Tem que liquefazer no terminal, transportar no caminhão, que é uma coisa que a gente já faz, e regaseificar para entregar ao consumidor. Esse é o nosso negócio”

A Vibra será o guarda-chuva dos ativos e serviços tradicionais e dos que serão incorporados. Em breve, a empresa será também negociada na B3, no lugar das ações BRDT, que vão desaparecer. Mas só o nome vai ser substituído, o papel continuará o mesmo.

Planejamento

A mudança de nome começou a ser preparada, na verdade, antes mesmo de a Petrobras vender sua participação remanescente na empresa, no início de julho deste ano. Mas, Ferreira Júnior conta que o projeto de inserir a distribuidora na transição energética foi idealizado por ele e apresentando ao conselho de administração quando ainda era presidente da Eletrobras. O executivo assumiu o cargo em março.

“Eu estudava muito o tema do meio ambiente e acho isso inexorável. Na minha conversa com os conselheiros que me entrevistaram, eu coloquei essa história.

Esse é o papel que a gente vai poder exercer e bem. Fica sempre mais difícil para um produtor (de combustíveis, como a Petrobras) fazer diferente. O produtor se vicia naquilo. Ele fica comprometido a vender aquilo, seja isso bom ou ruim, seja uma refinaria ou uma plantação de etanol. Do nosso lado, ter a liberdade de, junto com o cliente, estudar o que é melhor para ele, não tem preço. É nisso que quero ser diferente”, disse o presidente da Vibra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

BR Distribuidora muda de nome para Vibra para se distanciar de Petrobras

Empresa muda de nome dois meses após a Petrobras sair totalmente do seu quadro de acionistas; Vibra Energia quer ser vista como uma companhia de energia de baixa emissão de carbono

André Jankavski, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2021 | 17h33

Dois meses após ver a Petrobras sair totalmente do seu quadro de acionistas, a BR Distribuidora decidiu mudar de nome. Agora, a empresa vai se chamar Vibra Energia. A mudança foi anunciada ontem pelo presidente da companhia, Wilson Ferreira Junior. Segundo ele, a intenção da empresa é fazer uma transformação total e ser vista como uma companhia de energia de baixa emissão de carbono.

"Liderei várias transformações empresariais nos últimos 25 anos, a maior parte delas no pós ou no pré-privatização. Vamos pensar em novos negócios para a transição energética, na importância da conveniência, dos negócios da chamada adjacência, da fidelidade e meios de pagamentos digital", disse ele.

O processo durou 14 meses para ser concluído, tendo começado antes mesmo da chegada de Ferreira Junior na companhia. Para criar toda a concepção da nova marca, a agora Vibra Energia contratou o escritório Tátil Design, de Fred Gelli, que foi um dos criadores da logomarca das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. 

De acordo com a empresa, os mais de 8,3 mil postos continuarão utilizando a logomarca da BR, assim como o nome da Petrobras, já que a Vibra ainda tem um contrato licença da marca. O mesmo acontece com o lubrificante Lubrax e as lojas de conveniência BR Mania. Mas, de acordo com Gelli, a nova identidade deve chegar aos postos em algum momento. “Não sabemos quando, mas isso deve acontecer”, diz ele.

Independência

A mudança de nome também marca a independência da Vibra Energia do seu principal controlador há décadas. Nos últimos quatro anos, a Petrobras já havia se desfazendo de parte das ações da antiga BR Distribuidora. Porém, a desestatização aconteceu em 2019, quando a petroleira diminuiu a sua participação de 71% para 41%. Em junho deste ano, a Petrobras finalizou a venda.

Atualmente, 87% das ações da Vibra Energia estão em livre circulação no mercado, o chamado free float. O restante está na mão dos maiores acionistas da companhia, que são os fundos Samambaia e BlackRock, com 7,95% e 5,01%, respectivamente. 

Novo momento

Desde o momento em que assumiu a companhia, em março deste ano, Ferreira Junior já prometia que faria da BR Distribuidora uma empresa de energia limpa, e não apenas de venda de combustíveis. A nova marca, portanto, seria um marco para concretizar essa mudança de estratégia.

Segundo Gelli, a criação do nome e da logomarca teve um processo desafiador porque a ideia era criar uma marca que tivesse a conexão com o novo momento da empresa, mas que não deixasse para trás a história da BR Distribuidora. 

“A marca tinha que representar a energia, mas com um lado mais humano. Por isso, o símbolo da logomarca lembra energia, mas também o pulsar de um coração”, afirma. “E as letras BR continuam na nossa marca, mas sem tanto destaque porque queremos valorizar a nossa autonomia e independência nesse novo momento.”

Para Eduardo Tomiya, CEO da TM20 branding, como a marca Petrobras vai continuar nos postos, trata-se de uma mudança para acenar ao mercado de capitais que agora a Vibra é uma nova empresa. Ele também cita as mudanças recentes que vêm acontecendo no mercado, como, por exemplo, a mudança de nome da Via Varejo para apenas Via

“As empresas querem mostrar por meio das suas marcas que elas são modernas e ornam com os novos momentos, até mesmo por uma questão de sobrevivência”, diz Tomiya. “Essa é a visão dos negócios atualmente.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.