Vinhos: setor quer cota de importação para produto argentino

Brasília, 21 - Os produtores de vinho pediram hoje ao governo que seja estabelecida uma cota de importação para o produdo da Argentina. De acordo com dados apresentados pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), que reúne a cadeia produtiva da vitinicultura, as importações da Argentina quadruplicaram nos últimos 4 anos. Em 2001, foram importados 2,6 milhões de litros da Argentina. Em 2004, no acumulado até novembro, já são 10 milhões de litros e a expectativa é que este volume chegue a 12 milhões de litros no ano. "O preço de venda não cresceu no mesmo ritmo do volume importado para o Brasil", comentou o presidente do instituto, Carlos Raimundo Paviani. O volume importado pelo Brasil custou US$ 6,2 milhões em 2001 e subiu para US$ 17,803 milhões neste ano. O preço médio de venda do produto argentino caiu de US$ 2,40 por litro para US$ 1,78 por litro. Segundo Paviani, a Argentina produz 1,5 bilhão de litros de vinho por ano. Deste total, 150 milhões de litros são excedentes. "Se o governo não adotar uma cota para importação, este produto acabará com o mercado brasileiro e vai prejudicar a produção nacional", comentou ele. Ele lembrou que o consumo de vinho na Argentina deve cair 10% em 2004 na comparação com 2003. Paviani participou na manhã de hoje de audiência pública no Senado para discutir a comercialização de produtos agrícolas no Mercosul.

Agencia Estado,

21 de dezembro de 2004 | 14h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.