Vinícius Reis|Estadão
Vinícius Reis|Estadão

Vipal renegocia R$ 1 bi em dívidas com bancos

Instituições financeiras exigiram como garantia os 49% de participação que a empresa gaúcha de pneus tem na companhia argentina Fate

Josette Goulart, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2016 | 05h00

A gaúcha Vipal Borrachas, empresa de recauchutagem de pneus, concluiu processo de renegociação de R$ 1 bilhão em dívidas com os bancos credores. Itaú, BNB, Bradesco, Banrisul, Credit Suisse e HSBC aceitaram alongar os débitos da companhia por cinco anos. Em contrapartida, a Vipal teve de dar em garantia sua participação de 49% na empresa argentina Fate, que também atua no segmento de pneus.

O advogado Pedro Bianchi, do escritório Felsberg, que intermediou as negociações da Vipal com os bancos, afirmou que muitas empresas que hoje renegociam suas dívidas tiveram as finanças comprometidas por investimentos para expansão dos negócios antes da recessão. Com a crise e o baixo retorno do negócio, agora buscam reestruturação financeira. A Vipal também foi assessorada pelo Banco Plural.

Para os bancos, as renegociações das dívidas têm sido a melhor alternativa do que a opção de as empresas entrarem com pedido de recuperação judicial. Em processo de recuperação, os bancos têm de fazer imediatamente o provisionamento de boa parte dessas dívidas, o que afeta diretamente os resultados das instituições.

Garantias. Uma das exigências dos bancos para levar adiante a renegociação é que as empresas apresentem novas garantias. Essa é uma forma de o banco evitar de fazer provisionamento.

Pelas regras do Banco Central, se uma empresa deixa de pagar um empréstimo por determinado período, o banco precisa fazer provisões escalonadas mês a mês, até chegar a 100%. Isso é feito com base em uma escala de rating (nota), que vai de AA a H. Quanto mais próximo do H, maior o volume provisionado. Com as novas garantias, esses empréstimos podem, inclusive, subir na escala do rating.

Recentemente, o escritório Felsberg conseguiu negociar uma dívida de R$ 550 milhões da Log-In, empresa de logística que investiu na compra de dois navios, mas reduziu sua capacidade de geração de caixa por causa da crise. Os bancos aceitaram alongar o prazo por seis anos, mas exigiram o Terminal de Vila Velha como garantia. Essa reestruturação também foi assessorada pelo banco Moelis.

Outro exemplo emblemático foi a renegociação de R$ 7 bilhões em dívidas da Odebrecht Agroindustrial(de açúcar e etanol). O grupo teve que dar 100% das ações que possuía na petroquímica Braskem em garantia do empréstimo, que foi alongado por 12 anos. Essa renegociação foi costurada pelo escritório Munhoz Advogados.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    BradescoBanrisulBanco CentralBraskem

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.