Visa prepara oferta de ações recorde de até US$18,8 bilhões

A Visa, maior rede de cartões decrédito do mundo, afirmou nesta segunda-feira que pode levantaraté 18,8 bilhões de dólares com sua aguardada oferta pública deações, no que seria a maior operação do tipo já realizada. A empresa protocolou junto à Securities and ExchangeCommission, órgão que fiscaliza o mercado acionário dos EstadosUnidos, pedido de venda de 406 milhões de ações classe A a 37 e42 dólares cada, o que resultaria numa operação entre 15bilhões e 17,1 bilhões de dólares. A operação é esperada paraacontecer este ano. A empresa afirmou ainda pode vender mais 40,6 milhões deações para atender à demanda, elevando o valor potencial daoferta para 18,8 bilhões de dólares. Caso a operação seja bem sucedida, a oferta poderáultrapassar a oferta de 10,6 bilhões de dólares da AT&TWireless Group, realizada em 2000. A empresa de San Francisco planeja listar as ações na Bolsade Valores de Nova York sob o símbolo "V". O momento é arriscado para a oferta da Visa, com os temoresde uma iminente recessão nos Estados Unidos diminuindo ointeresse de investidores em ações e ofertas iniciais. Contudo, as ações da concorrente MasterCard mais quequintuplicaram de valor desde sua oferta pública de 2,4 bilhõesde dólares realizada em maio de 2006. "A Visa é grande e tem um forte potencial de crescimentoglobal", disse John Augustine, estrategista-chefe deinvestimentos do Fifth Third Private Bank, em Cincinnati. "Oponto negativo para a oferta da Visa pode ser a época. Nossotemor é que conforme o crédito se deteriora, os gastos dosconsumidores caem e os volumes de operações se reduzirão nasredes de cartões. Isso afetaria a receita e o lucro." No quarto trimestre de 2007, a Visa teve lucro líquido de424 milhões de dólares sobre receita de 1,49 bilhão. AMastercard enquanto isso teve lucro líquido de 304,2 milhões dedólares sobre faturamento de 1,07 bilhão de dólares. A Visa é controlada por cerca de 13.300 bancos e companhiasfinanceiras. Muitas dessas instituições estão enfrentandodificuldades com crescentes perdas com crédito e algunspassando por falta de capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.