Visita de rei da Suécia não diminui nem aumenta dúvidas sobre caças, diz Lula

Segundo presidente, existe um calendário de discussões sobre a compra dos caças para a Força Aérea Brasileira 

Tânia Monteiro e Leonencio Nossa, da Agência Estado,

24 de março de 2010 | 17h36

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, 24, que existe um calendário de discussões sobre a compra dos caças para a Força Aérea Brasileira (FAB) e que, diante disso, a visita do rei da Suécia Carl Gustaf ao Brasil não "diminui nem aumenta" a dúvida sobre os caças.

 

"Certamente, muita gente ainda vai falar sobre os caças. Nós estamos numa fase em que o ministro Jobim (ministro da Defesa, Nelson Jobim) está consultando as secretarias do próprio ministério da Defesa sobre estudo feito pela Aeronáutica. Depois disso, vai chegar às minhas mãos. Nós vamos analisar as propostas e aí eu vou tomar a decisão no momento adequado. Obviamente, pelo tamanho que o Brasil tem, o Brasil precisa modernizar os seus aviões e obviamente que nós vamos fazer aquilo que for melhor para o Brasil, dentro das perspectivas do Brasil", disse o presidente.

 

Segundo o presidente, este é um ano atípico, um ano eleitoral, e por isso tem que "ter cuidado necessário". "Uma coisa dessa envergadura não pode ficar à mercê da especulação política. Então, é preciso ter muito cuidado, muito bom senso", disse, acrescentando que o governo quer conversar com todos os setores da sociedade.

 

"O ministro Jobim já tem autorização para conversar e depois nós vamos tomar a decisão, sem nenhum nervosismo, sem nenhum trauma". Lula ainda acrescentou que a questão da compra dos caças custa muito dinheiro e que não vai ser pago no seu governo. "Por isso, tenho de ter mais cuidado e responsabilidade".

 

Durante almoço no Palácio do Itamaraty, o rei da Suécia Carl Gustaf aproveitou para reforçar o lobby da empresa sueca Saab, que é uma das interessadas em vender ao Brasil o caça Gripen. Ele disse que Brasil e Suécia têm capacidade de parcerias de alta tecnologia e inovação, especialmente na área de aeronáutica.

 

"Obviamente, o rei da Suécia faz o que fazem todas as pessoas que eu encontro. Eu vou encontrar o Medvedev (presidente da Rússia, Dmitri Medvedev), daqui a alguns dias, no encontro dos Brics, e o Medvedev vai me falar dos aviões russos. Eu vou encontrar daqui a pouco com o Obama (presidente dos Estados Unidos, Barack Obama) para discutir a questão nuclear, e ele vai falar do negócio dos aviões americanos. Eu vou encontrar com o Sarkozy (presidente da França, Nicola Sarkozy) e ele vai falar dos aviões. Cada um vai falando, a gente vai aprendendo, vai vendo, quem sabe os preços vão caindo e quem sabe as coisas vão melhorando", disse o presidente Lula, em entrevista após o encontro com o rei da Suécia, no Itamaraty.

 

Lula acrescentou que o Brasil quer ter tecnologia e fabricar o avião no país. "Queremos que o Brasil seja inclusive num futuro bem próximo exportador desses aviões", completou. Questionado se o Brasil já tinha tomado uma decisão sobre qual caça será comprado, Lula disse: "Não, ainda não. Ainda não chegaram para mim os estudos definitivos. Então, depois de ouvir o conselho de Defesa, aí vou tomar a decisão".

Tudo o que sabemos sobre:
caçasFABSuéciareiLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.